dezembro 22, 2005

Boas Festas




Sendo esta uma época propensa à reflexão, ao entendimento, à harmonia, o Alinhavos irá mergulhar de alma e coração no espírito natalício que paira no ar, dedicando-se mais e melhor aos amigos virtuais e especialmente aos reais, que tantas vezes são esquecidos, momentaneamente, fruto do dia-a-dia cada vez mais acelerado, onde o tempo é sempre escasso.

Por agora, desejo a todos um Natal pleno de Paz, Amor, Harmonia, Felicidade e para o futuro Ano que se aproxima, um deslumbrar e concretizar de surpresas tantas vezes desejadas e nunca alcançadas.

Boas Festas a todos.

Sónia

dezembro 21, 2005

Distinção merecida

Foi hoje distinguido, como blogue do dia no DN, o Tomarpartido de Jorge Ferreira.
Uma distinção mais que merecida de um blogue excelente, do qual não prescindo da leitura diária.

Parabéns!!

dezembro 15, 2005

Festa de Natal

Hoje pelas 14 horas e com segunda sessão ás 16 horas, haverá festa no Cine-Teatro Paraíso de Tomar!

A Festa de Natal da Escola Infante D. Henrique, organizada em conjunto pela Associação de Pais e pelo grupo de Professores, terá como novidade bombástica a participação dos pais dos alunos. Ou seja, quem habitualmente se senta na plateia a assisitir ás habilidades dos rebentos, passa para o palco para ser avaliado pelos mesmos.

Ensaiados por Fausto Matias, os pais que decidiram aderir à iniciativa através de uma dança em grupo, terão a benção de estarem protegidos por umas barbas grandes de pai Natal, assim como a restante fatiota, que os esconderá das vergonhas de errar o passo. Mas festa é festa, e se houver enganos, só há uma coisa a fazer: RIR dos próprios e dos outros.

dezembro 07, 2005

E-mail viciante


Os estudos divulgados, ocasionalmente, na comunicação social deixam-me sempre perplexa pela tentativa de "impacto" expressa na forma como são eleitos os títulos para os referidos artigos. Hoje o Expresso dá-nos conta de um estudo que revela que os trabalhadores estão a desenvolver um vício febril pelo correio electrónico, afirmando que alguns trabalhadores gastam metade de um dia de trabalho a gerir a sua caixa de correio.

(Título do artigo:Estudo sobre trabalhadores europeus revela:
Correio electrónico vicia
)

No entanto, clicando no link que nos leva ao texto completo do artigo verificamos que: "A maior parte, 54 por cento, começa a consultar as mensagens antes da hora de trabalho, alguns consultam-nas na hora do almoço, enquanto que 30 por cento prefere vê-las depois de cumprido o horário de trabalho"

(Tudo bons rapazes, que se ocupam do correio fora das horas de expediente! Logo, onde é que está a metade do dia de trabalho dispendida nesta tarefa?).

Analisando também a palavra vício podemos concluir que a escolha não foi a mais feliz uma vez que, e segundo o mesmo artigo:
"A Symantec assinala que o correio electrónico deixou de ser um simples meio de comunicação, para passar a ser uma ferramenta crítica de negócio, sendo utilizado por três quartos (74 por cento) dos inquiridos para marcação ou confirmação de reuniões, por 62 por cento para a gestão de contactos, por 74 por cento para a pesquisa de documentos e por 46 por cento para delegação de tarefas".

(OK, poderá ser vício, mas a palavra vício, por si só, tem uma conotação negativa, e no referido artigo fala-se de "ferramenta crítica de negócio. Logo, vício saudável e recomendável!).

O que me leva a acreditar cada vez menos nos resumos das notícias e a clicar mais vezes no link do texto completo.

É que podem não acreditar, mas hoje estou sem e-mail e cheia de tremeliques, o que me levou a pensar, ao ler o resumo do artigo, que estaria já a desenvolver uma reacção ressacosa do facto de não poder aceder ao mesmo!!

dezembro 05, 2005

Parabéns!

Parabéns ao Jorge Ferreira e ao seu excelente Tomarpartido que fizeram ontem dois anos de vida.

dezembro 02, 2005

PUB

Vale a pena linkar . Amanhã pode ser o seu!

novembro 29, 2005

Alinhavos no DN

Graças à dica do autor do Cantinho de Azul fiquei a saber que o modesto Alinhavos foi Blogue do Dia no Diário de Notícias no passado dia 23 de Novembro. Imaginem a responsabilidade! Eu, que tenho andado tão distante da comunidade bloguistica, ter assim um lugar de destaque. Está bem que a referência é pequenina, mas mesmo assim!

Sem falsas modéstias transcrevo o texto do DN:

"Numa costura virtual, a autora partilha connosco as suas experiências, como aquela em que, por ocasião do dia do não fumador, um grupo de crianças lhe ofereceu uma maçã em troca da destruição de um dos seus cigarros. No blogue, a fundo verde, os alinhavos não são pontos certos nem definitivos, são esboços do que há-de ser, são apenas opiniões de uma mente essencialmente comunicadora".

Obrigado M.G. pela referência!

novembro 17, 2005

Hoje é o dia internacional do não fumador

Pela manhã fui abordada por um grupo de miúdos dos seus dez anos de idade.

Perguntaram-me se eu era fumadora e pediram-me para destruir um dos meus cigarros em troca de uma maçã.

Achei o gesto extraordinário.

Comi-a com o café, depois do almoço!

Hoje pela manhã...

Hoje pela manhã…

…o sol brilhava com mais intensidade, apesar de o céu estar coberto de nuvens cinzentas,
…o ar estava mais leve, apesar do nevoeiro que se fez sentir,
…a terra mais firme, apesar da chuva que a amoleceu.

Hoje pela manhã…

…acordei com uma nova energia, com uma vontade de gritar, de a soltar…

Ontem pela manhã…

…entreguei a versão final da tese de mestrado!!

"Liberdade, que estais em mim,
Santificado seja o vosso nome."

In Diários, Miguel Torga

(senti necessidade de partilhar)

novembro 04, 2005

"Aqui há gato"


Observem bem este gráfico.
Impressionante a subida registada no mês de Outubro, não?

Vamos agora tentar perceber o que este gráfico representa.

Há cerca de dois ou três meses atrás decidi fazer uma experiência para comprovar uma tese.






Hipótese 1: Os blogues mais frequentados são os que de facto têm material digno de registo, que pelo seu interesse, capacidade de argumentação, fluência de escrita, assuntos discutidos, merecem as visitas diárias de centenas de pessoas.

Hipótese 2: Os blogues mais frequentados são os que de alguma forma estão ligados ao que as pessoas mais apreciam, ou seja - SEXO.

Experiência: Introduzir fotos no Alinhavos cujo nome seja SEXO, porém em tamanho reduzido, tornando-as não visíveis, de forma a não adulterar a sua linha ideológica (se é que existe).

Resultado: Ao fim de dois ou três meses, as buscas no Google Images, pela palavra SEXO vêm parar ao meu blogue, o que me permite ter uma média diária de visitas que tem variado entre as 130 e 170.

Conclusões:
1. Não me admira que o top do Blogómetro do Weblog, que contém 1219 blogues registados, seja dominado por um blogue cujo nome é “Aqui é só gatas” (embora seguido de blogues cujas visitas são merecidas pela sua qualidade, como é o excelente “The Tao Of Mac”), que em 10º lugar surja “Gatas hard”, em 15º “Pitas nuas”, em 19º “Mulheres nuas em Portugal”, etc, etc, que a lista é longa demais.

2. Torna-se digno de registo que não surjam na lista blogues cujo título nos dê a entender que são blogues eróticos, cujo público-alvo é o feminino. Nomes do tipo “São todos bons”, “Gatos a toda a hora”, “Firme e Hirto” não existem. O que poderá querer dizer que a perversidade ataca apenas um dos géneros humanos (ou talvez não).

3. As duas hipóteses são confirmadas, porém ficaremos sempre sem saber se as visitas de determinados blogues são atribuídas à sua qualidade ou ao acaso.

4. Neste momento não sei quem são os visitantes do meu blogue (medo…..). Até aqui, tirando um ou outro que caía por acaso, conseguia saber quem me visitava (não é de admirar, visto que eram só umas três dezenas lololololol)

Curiosidade:
O Alinhavos tem sido visitado por pessoas (homens??) de vários países, de onde se destacam alguns da América Latina, Espanha e Portugal (ai estes latinos!!!!). Tal poderá estar associado ao facto de as imagens terem o nome sexo em português, ou então porque são os mais quentes (uiiiiii)., ou os que têm mais falta (uiiiiiii)…….

Resumindo:
Deixei de acreditar nas estatísticas!!!

PS: O visitante nº 14544, que chegou aqui através de uma busca no Google Images (pela palavra "sexo") vive no Paraná/Brasil numa cidade cujo nome é, vejam só: MARIALVA. É que tem mesmo tudo a ver!!!!

Inventário do Património Arquitectónico (Serviço Público)


Cidade de Tomar



Enquadramento
Urbano, planície. Cruzada pelo rio Nabão no sentido E. / O. e dominada a N. pelo monte onde se ergue o Convento de Cristo (141812002) e o Castelo (141812006), o seu núcleo antigo implanta-se maioritariamente na margem direita do Rio Nabão, o núcleo mais recente na margem oposta.

Descrição
ESTRUTURA URBANA: Núcleo antigo - planta ortogonal, com os eixos viários dispostos paralelamente às 2 vias principais perpendiculares, a R. Serpa Pinto (antiga Corredoura) e as R. Silva Magalhães e Infantaria 15 (antiga R. Direita). Núcleo moderno - o mesmo tipo de planta com os eixos viários paralelos às 2 principais ruas que se cruzam na perpendicular - R. Marquês de Pombal e Av. Ângela Tamagnini.
TECIDO CONSTRUÍDO: como núcleo polarizador no desenvolvimento da estrutura urbana da povoação o edifício dos Paços do Concelho (141812021) e a Igreja de São João Baptista (141812004), dos 2 lados da Pç. da República, onde se unem as 2 principais vias - R. Serpa Pinto e antiga R. Direita (Silva Magalhães e Infantaria 15). - A O. da Pç da República e implantados no morro o Convento de Cristo (141812002) e o Castelo (141812006); um pouco mais abaixo, na mesma colina, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição (141812005); no prolongamento da R. Infantaria 15, do lado S., na extremidade da Várzea Grande, o Convento de São Francisco (141812023); mais para S., junto à saída da povoação desse lado, a Capela de São Lourenço (141811010); do lado oposto, no prolongamento da R. Silva Magalhães, do lado N., junto à Várzea Pequena, o antigo Convento da Anunciada Nova (141812033); nas imediações, à saída da povoação, a Capela de São Gregório (141812022) e no topo do morro, a NE., a Ermida de Nossa Senhora da Piedade (141812037). Na margem esquerda do rio Nabão, no início da R. Marquês de Tomar, a Igreja e o antigo Convento de Santa Iria (141811009); não muito distante do rio, a O., a Igreja de Santa Maria do Olival (141811003). No núcleo antigo da povoação assinala-se ainda a Igreja da Misericórdia (141812035), na Av. Dr. Cândido Madureira; as imponente arcarias do alpendre dos Estaus (141812017), a antiga albergaria medieval, junto ao curso do rio, no final deste avenida; a Sinagoga (141812011), no coração da judiaria, na R. Dr. Joaquim Jacinto; vários edifícios solarengos e habitações de carácter burguês dispersos pela malha urbana.

Época de Construção
Séc. 12 / 13 / 14 / 15 / 16 / 17 / 18 / 20


Cronologia
1159 - Doação de Tomar aos Templários por D. Afonso Henriques
; 1162 - construção do castelo por Gualdim Pais e doação de carta de foral à vila; a povoação desenvolve-se inicialmente na Cerca ou Almedina, intramuros, à sombra de uma 2ª cinta de muralhas entretanto construída, na paróquia de Santa Maria do Castelom, do lado de fora da muralha, na vila de Baixo, na paróquia de Santa Maria do Olival, entre a actual R. da Graça e a Corredoura e ainda a N. do castelo, no arrabalde de São Martinho; com a regularização do curso do rio, a vila cresce para S., para a zona da Ribeira, onde a Ordem tinha já os seus moínhos; aí surgiram os edifícios públicos, no Chão do Pombal; séc. 13 - construção da Igreja de Santa Maria do Olival; 1314 - extinção da Ordem dos Templários; 1319, 14 de Março - instituição da Ordem Militar de Nosso Senhor Jesus Cristo, integrando os bens da extinta Ordem do Templo; a nova ordem é instalada em Castro Marim; 1357 - transferência da sede da Ordem de Cristo para Tomar; séc. 14 - construção da ermida de Nossa Senhora da Piedade; 1417 - o Infante D. Henrique é nomeado Governador e Administrador da Ordem de Cristo; séc. 15, 1ª metade - construção dos Estaus, junto ao Chão do Pombal, onde existiam os antigos Paços do Concelho, construíndo-se então também, nas imediações, as saboarias e o Hospital de Nossa Senhora da Graça; obras no antigo oratório templário, a Charola, construção dos claustro do Cemitério e da Lavagem, da capela de São Jorge e do Paço; séc. 15, meados - construção da Sinagoga; 1467 - início da reconstrução da Igreja de São João Baptista; 1499 - a população que vivia dentro do castelo é forçada a abandona-lo por determinação régia; 1510 - criação da Misericórdia de Tomar; 1510, 1 de Maio - D. Manuel concede a Tomar foral novo; séc. 15, finais / séc. 16 - 1º quartel - construção da nave adossada à Charola henriquina; séc. 16, 1º quartel - construção da Capela de São Gregório e da Capela de São Lourenço; construção das Casas da Câmara; 1530, 24 de Junho - reforma da Ordem de Cristo por frei António de Lisboa, transformando-a numa ordem de clausura; 1532 - início das obras de alargamento do Convento; 1535 - início da construção da Capela de Nossa Senhora da Conceição, que parece ter sido pensada como capela sepulcral para D. João III; 1536 - início da construção da Igreja de Santa Iria; 1557 - início da reconstrução do claustro principal do convento de Cristo, interrompida em 1565; 1567 - início das obras da Igreja da Misericórdia; 1567, 22 de Abril - o cardeal D. Henrique concede a Tomar o título de "Notável Vila"; 1573 - conclusão da Capela de Nossa Senhora da Conceição; 1591 - conclusão do claustro principal do convento de Cristo, obras de remodelação da Charola; 1613 - reconstrução da ermida de Nossa Senhora da Piedade; 1618 - construção da Portaria real, casa da escada e sala dos reis; 1625, 7 de Setembro - início da construção do Convento de São Francisco; 1645 - início da construção do Convento da Anunciada Nova; 1672 - construção do hospital da Misericórdia; 1740 - remodelação das Casas da Câmara; 1789 / 1792 - reforma dos Estatutos da Ordem; 1834 - extinção das ordens religiosas; 1844, 13 de Fevereiro - Tomar é elevada a cidade.

Tipologia
Conjunto urbano, composto, arquitectura românica, gótica, renascentista, manuelina, maneirista, barroca, rococó. Planta ortogonal constituída por 2 eixos viários que se cruzam na Pç. da República, a R. da Corredoura e a antiga R. Direita, e várias ruas paralelas (núcleo antigo), repetindo-se do outro lado do rio num traçado idêntico, em função da R. Marquês de Pombal e Av. Ângela Tamagnini. O principal pólo de atracção do crescimento urbano é a Pç. da República da qual parte a principal artéria, a Corredoura, que faz a ligação com o rio e com a margem oposta, onde se desenvolveu a cidade moderna; o rio constituíu o outro polo de atracção, para ele caminhando todas as ruas paralelas à Corredoura. Edifícios solarengos de 2 e mais raramente 3 pisos, com longas fachadas rasgadas no piso nobre por portas-janelas de sacada com guardas em ferro ou por janelas de avental, por vezes com elaboradas janelas de canto, maineladas, por vezes com pátios, para os quais deitam alpendres apoiados em colunas, com acesso por escada exterior; as diferentes épocas de construção (dos sécs. 16 a 18) podem ser referenciadas pelos diferentes enquadramentos dos vãos - em lintel arquitravado simples ou apoiando-se em mísulas envolutadas, balcões com guardas em colunelos de ferro; vãos de vergas em arco segmentar e frontões contracurvados, normalmente com guardas em ferro de motivos fitomórficos, barrocos; alguns ornatos florais misturando-se com concheados identificam um gosto rococó. Os edifícios burgueses, com 2 ou 3 pisos, repetem alguns destes elementos, embora não mostrem portas-janelas com balcões.

Características Particulares
O núcleo histórico da cidade constitui um interessante exemplo de urbanismo medieval nascido sob a égide da poderosa Ordem dos Templários, primeiro, da Ordem de Cristo, depois de 1319 e, certamente por isso, obedecendo a um traçado em malha de xadrês, com ruas paralelas a 2 eixos principais que se cruzam em ângulo recto, na Pç. da República, desenvolvido entre o morro do castelo, onde se ergueu o Convento de Cristo (141812002) e o rio Nabão. No prolongamento dos braços dos 2 eixos principais - a R. da Corredoura e antiga R. Direita, implantaram-se os 4 conventos de Tomar - o Convento de Cristo, Convento de Santa Iria (141811009), Convento de São Francisco (141812023) e o Convento da Anunciada (141812033).


Bibliografia
SOUSA, J. M. Sousa, Notícia descriptiva e histórica da cidade de Thomar, Tomar, 1903; Anais do Município de Tomar, 8 vols., 1941 / 1972; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Santarém, vol. V, Lisboa; KUBLER, George, SORIA, Martin, Art and Architecture in Spain and Portugal - 1500 to 1800, Harmondswarth, 1959; ROSA, Amorim, História de Tomar, 2 vols., Santarém, 1965, 1982; MOREIRA, Rafael, A ermida de Nossa Senhora da Conceição, mausoléu de D. João III, Boletim Cultural e Informativo da Câmara Municipal de Tomar, nº 1, Tomar, 1981; MELA, Romualdo, Ruas de Tomar e a sua Toponímia, Boletim cultural e Informativo da Câmara Municipal de Tomar, nºs. 1 a 12, Tomar, 1981 / 1989; COELHO, Maria da Conceição Pires, A igreja da Conceição e o claustro de D. João III do convento de Cristo em Tomar, Santarém, 1987; CONDE, Manuel Sílvio Alves, Tomar medieval - o espaço e os homens (séc. 14 / 15) (texto policopiado, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa), 1988; AAVV, Imagens de Tomar - roteiro histórico, Tomar, 1990; JANA, Ernesto, O convento de Cristo em Tomar e as obras durante o período filipino (texto policopiado, FLL), Lisboa, 1991.


Autor e Data
Isabel Mendonça 1997


Ligação: www.monumentos.pt

outubro 17, 2005

Tomar by air



Graças aos aviadores cá da praça tive a oportunidade de sobrevoar Tomar. Foram 15 ou 20 minutos inesquecíveis, que me permitiram obter uma outra perspectiva desta cidade que eu amo, onde nasci e onde vivo. Permitam que partilhe convosco algumas das fotos que consegui tirar, por entre a confusão de me agarrar à protecção e disparar a objectiva. Foi quase um combate aéreo, mas penso que valeu a pena.
Antes de mais quero salientar a qualidade dos pilotos tomarenses, que se agarraram a um sonho e o tornaram realidade. Para os interessados em, como eu, viver uma experiência única, basta dirigirem-se ao campo de voo de Valdonas e informarem-se junto da ATAUL - Associação Tomarense de Aviação Ultra-Ligeira. São profissionais que não descuram a segurança. Não há que ter medo!

Vista do ar Tomar ainda é ainda mais pequenina!


Quem disse que a rotunda da fonte não era bonita? Bom, OK, neste caso depende mesmo da perspectiva!


Já viram como o novo relvado sintético está tão verdinho? E sem contas astronómicas de água.



Um ex libris é sempre um ex libris.



Património nosso e da Humanidade.



O traçado medieval, a praça setecentista.


O Instituto Politécnico de Tomar, um dos pólos dinamizadores da região.



De volta à Terra, neste caso o campo de voo de Valdonas.


Bela viagem, não acham?

setembro 22, 2005

A AUTORA DESTE BLOGUE ALERTA OS MAIS ASSÍDUOS, DE QUE SE ENCONTRA, TEMPORARIAMENTE, EM FASE DE TRABALHO ÁRDUO.

PROMETEMOS SER BREVES! :-)



setembro 06, 2005

Perguntas inocentes carregadas de actualidade


O meu filho, ontem à tarde, depois de dois meses de incêndios no horizonte:

- "Mãe? Aquilo são nuvens ou é um incêndio?"

- "São nuvens, filho."

agosto 31, 2005

BLOGUEMOS



Acima de tudo, gosto do poder de síntese do Arioplano

linkei!

agosto 30, 2005

Hoje estou a ouvir...




Um novo conceito de boys band.

Quatro belas vozes, acompanhadas de quatro belos embrulhos!!

agosto 29, 2005

Hoje sinto-me assim...

Adiamento

Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã...
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possível; mas hoje não...
Não, hoje nada; hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjetividade objetiva,
O sono da minha vida real, intercalado,
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar um elétrico...
Esta espécie de alma...
Só depois de amanhã...
Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-me para pensar amanhã no dia seguinte...
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos...
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã...
Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente, de dentro...

Não, não queiram saber mais nada, é segredo, não digo.
Só depois de amanhã...
Quando era criança o circo de domingo divertia-me toda a semana.
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância...
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida triunfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente, lido e prático
Serão convocadas por um edital...
Mas por um edital de amanhã...
Hoje quero dormir, redigirei amanhã...
Por hoje, qual é o espetáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espetáculo...
Antes, não...
Depois de amanhã terei a pose pública que amanhã estudarei.
Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã...
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras, ou depois de amanhã...
Sim, talvez só depois de amanhã...

O porvir...
Sim, o porvir...

Álvaro de Campos

agosto 26, 2005

Neste mundo, afinal, tudo não passa de uma ilusão. Mas deixem-nos viver iludidos e não desmistifiquem o que existe de Belo.

Incendies. Trois jours de lutte pour sauver la troisième ville portugaise.
A Coimbra, terres et hommes consumés par les flammes


Par Marie-Line DARCY

vendredi 26 août 2005 (Liberation - 06:00)

Coimbra (Portugal) envoyée spéciale




A perte de vue, les collines de la région de Coimbra semblent avoir rouillé. Les eucalyptus léchés par les flammes ont conservé parfois du feuillage, passé du vert sombre au gris. Des pins sylvestres, moins coriaces, il ne reste souvent que les troncs calcinés, plantés sur une terre devenue noire. Aussi loin que porte le regard, c'est un paysage de désolation, alors que les fumerolles sont encore visibles ici ou là. «C'est dangereux. L'humus dans la forêt portugaise est très épais. Ça brûle en dessous, ça se propage par l'intérieur, et le feu repart s'il trouve des feuilles sèches», explique un pompier volontaire venu en renfort des environs de Lisbonne. Il lutte depuis deux jours dans la région de Penela, gagnée par l'incendie qui a pris aux portes de Coimbra, troisième ville du pays. Un feu curieux, qui présente rarement un front unique. Il se divise, se multiplie, s'apaise puis repart. Dans la matinée, les sapeurs-pompiers locaux sont chargés des opérations de surveillance : ils doivent agir vite, dès que l'humus, chauffé par le soleil s'embrase à nouveau.

Volontaires. Luis raconte qu'il lutte depuis trois jours et trois nuits sans se reposer. Sur son visage, les sentiments mêlés de lassitude et d'impuissance. Autour de cette équipe, quelques habitants de la ville de Penela. Sergio était en vacances, mais il a rejoint le peloton des volontaires pour sauver ce qui peut l'être. Le jeune homme connaît bien la configuration de sa forêt. «Il y a un vrai problème d'entretien des sous-bois. Les gens ne sont plus là pour le faire, ou on ne sait plus à qui appartient la parcelle. Ça coûte cher, et, en même temps, ces bois-là ne rapportent rien.» Il montre le fouillis d'arbustes, d'eucalyptus encore jeunes, de taillis épais où les ronces défient quiconque d'y pénétrer. Sergio n'a même pas le temps de finir son explication qu'il repart en courant prêter main forte sur un nouveau départ de feu.

De l'autre côté de la colline, en direction de Miranda do Corvo, la ville voisine, on aperçoit un gigantesque incendie. Le ballet des Canadairs et des hélicoptères est incessant. De la route, le point de vue est imprenable sur un moutonnement de collines pour l'instant verdoyantes. C'est là que déjeunent quelques habitants. «On n'y comprend rien. Hier, le feu était chez nous [à Penela, ndlr], aujourd'hui il est là-bas, avant-hier il était derrière cette colline», décrit l'un d'entre eux. A Penela, le dernier grand incendie remonte à vingt-trois ans. Alors on accuse pêle-mêle la malveillance, le manque de moyens, l'absence des pompiers. Puis on se reprend : «Sans les pompiers, on ne serait sans doute plus là», confie une jeune femme venue ravitailler les volontaires. Face à l'imprévisible comportement du feu, les pompiers ont en effet opté pour une stratégie de protection des populations et des biens.

Lamas, mardi. Dans cette bourgade de 300 habitants située plus au nord, on a frôlé la catastrophe. Alors que les gens s'étaient rassemblés près du cimetière à la sortie du village pour surveiller l'avancée des flammes, la panique a été soudaine, les femmes et les enfants se sont enfuis en courant : le feu avait atteint le lieu. Dona Deolinda a couru aussi vite qu'elle a pu devant elle, la tête dans les mains : «J'ai vraiment peur. C'est comme ça depuis hier, et maintenant notre cimetière !» Les larmes coulent. De douleur, et de rage aussi. Une femme jette son seau à terre, consciente du dérisoire de son arme antifeu. L'attente des renforts ne sera pas longue, quinze voitures de pompiers et des hélicoptères prennent position autour du village, soudain en état de siège. L'unique bar s'improvise camp de base, des hommes épuisés viennent y chercher un bref réconfort au milieu du bruit incessant des camions-citernes.

Colère. Coimbra, qui abrite l'une des plus anciennes universités d'Europe, domine fièrement le fleuve Mondego. A la périphérie, l'urbanisation gagne sur la forêt, au lieu-dit Santo Antonio dos Olivais. «J'ai passé deux jours et deux nuits sans prendre de repos. Les flammes ont léché les murs de ma maison», explique Jorge Castilho. Sa maison est construite sur les cinq hectares de bois dont il a hérité. «J'ai dépensé 10 000 euros il y a dix ans pour aménager ma petite forêt et ouvrir des chemins qui n'existaient pas. Maintenant, ça a brûlé, je veux bien recommencer. Mais cette fois-ci, dans le cadre d'un plan global d'aménagement du territoire.» Dans une autre rue, un immeuble qui abrite près de cinquante familles a aussi été menacé. Les habitants ont la colère au bord des lèvres. «C'est inadmissible. Le bois devant nous n'a jamais été entretenu. La forêt est toute proche, rien ne l'empêche de venir jusqu'ici. Et c'est ce qui c'est passé», s'exclame Antonio Mateus. Lui et ses voisins ont évité l'embrasement de leur immeuble. «Les feux se préparent en hiver et se combattent avec un verre d'eau l'été venu», lâche-t-il, fataliste.

Le retour de la chaleur estivale a ranimé hier les feux que les pompiers étaient parvenus à maîtriser. Au moins neuf foyers sont hors de contrôle. En une semaine, 73 541 hectares ont brûlé. Et depuis le début de l'année, les incendies ont causé la mort de 15 personnes dont 10 pompiers. A Coimbra règne encore cette étrange sensation d'un danger qui guette. Du feu sous la cendre.

In Liberation

agosto 25, 2005

Chiça!!


Porra! Já estou farta da porcaria das eleições, autárquicas, presidenciais...
Dasss......Já não há pachorra!!!

Isto tudo deve ser por não haver esperanças no horizonte.
Os que lá estão, não me aquecem nem arrefecem, os que para lá querem ir, idem....

Mas quando é que vêm para cá os suecos, afinal??

Não havia aí uma senhora que dizia que se lhe calhasse o euromilhões, comprava Portugal e mandava vir o governo de fora??

Peço encarecidamente à senhora ou senhor (sei lá!) Provedor da Santa Casa que faça o obséquio de cometer uma fraudezinha e dar o justo a seu dono.

Dito!

E continua.....

Ouço a sirene dos bombeiros, mais uns hectares de pinhal que vão deixar de existir. Pinheiros que levaram cinquenta anos a tornarem-se adultos, consumidos pelo fogo em minutos.

A sirene, não sei se devo pensar que é um bom ou um mau sinal. Será bom, porque quer dizer que ainda estão bombeiros disponíveis para combater os incêndios. Será mau, porque é mais um fogo que começa.

A paisagem, por aqui, já está cheia de cicatrizes.

agosto 24, 2005

O inferno continua

Cheguei na segunda-feira de manhã a Tomar deparei-me com um cenário próprio de apocalipse, o ar irrespirável, a nebina causada pelo fumo, o cheiro a cinzas. Os fogos grassam e consomem todo o verde que nos inunda a paisagem.
A serra que vejo de minha casa está preta, desolante. De dia no horizonte vêem-se os focos de fumo denso, à noite a visão toma formas dantescas. Nublinas vermelhas incandescentes que me assolam, que me cortam a alma, que me fazem querer partir outra vez.

Hoje já se respira melhor, já não tenho aquela sensação claustrofóbica, aquela necessidade de respirar novamente o ar puro que normalmente aqui se respira.

No entanto, lá longe, continuo a ver os focos de fumo denso, ouço os helicópteros, pequenos insectos que tentam sugar a energia demasiado potente do fogo. Ainda cheira a fumo, ...infelizmente....

agosto 23, 2005

Novo visual.........espero que gostem!!

Haloscan commenting and trackback have been added to this blog.

O verde, claro, esse continua. A esperança é sempre a última a morrer e os clichés, também.

Segundo – Os Livros

Comecei pelo Maçon de Viena, conselho de um amigo, que não me desiludiu. A intriga, o enigma, o fascínio de descobrir alguns dos códigos da Maçonaria. Uma viagem pela ditadura salazariana, pela demência hitleriana, pelo despotismo iluminado de Pombal, onde se procuram fórmulas, resolvem enigmas. A História recontada. Lê-se de um trago!

Depois recuei até à Idade Média, até à história romanceada da Papisa Joana, Papa João Anglicus. Uma história apaixonante, um livro comovente, sobre a determinação de uma mulher de uma inteligência rara, num mundo feito para homens. Uma descrição quase cinematográfica das invasões bárbaras, de um período obscuro da história da humanidade contrabalançada por uma história de amor puro. Apaixonante!

Numa hora li o Velho que lia romances de amor de Luís Sepúlveda. A luta do homem contra a natureza e a revolta desta contra a luta do primeiro. Viajei pelas densas florestas amazónicas, através de uma história ecologista onde a principal mensagem tem a ver com a quebra de um ecossistema perfeito, respeitado pelos que lá viveram sempre e despudorado pelos que lá chegaram depois. Tentar fazer do que é selvagem, civilizado, nunca foi tarefa fácil. Lê-se rápido e bem!

Felicidade de Will Ferguson, animou-me as férias. Imaginem um mundo perfeito, onde todos são felizes. É o Inferno! Uma história hilariante, passada na América Moderna, cosmopolita. Frase retida: Lema da vida por Reed, um espalha-brasas....Não fumes, não bebas, não comas carne, morres na mesma!

O melhor que os livros têm, são as viagens imaginárias que fazemos. E acreditem que viajei imenso!

Primeiro – O concerto

Unos, dos, tres, catorce....


In CoExist

U2, o concerto da minha vida, com o grupo da minha vida.
Fiquei extasiada, esmagada, siderada. Ultrapassou as minhas expectativas.
A corrente de energia foi fulgurante, de arrepiar.
A Lua lá alto, o espaço leonino, o orgulho de ser português, as luzes em palco, a voz ouvida pela primeira vez ao vivo, os corpos que se moviam ao som dos acordes, o calor de um Agosto infernal, aqui quase paradisíaco. No fim, o cansaço, a viagem pela frente, e já um toque de “soube a pouco” (apesar de ter durado duas horas) e de “repetia a dose hoje mesmo, outra vez”.

Senti-me novamente jovem, novamente eu.

julho 29, 2005

Fui........de férias


Para os que cá ficam, bom trabalho!

Para os que vão, boas férias!

Em Setembro cá estarei, com energia redobrada para alinhavar o que não tenho alinhavado.

Se me descuido muito o meu blog descose-se todo!!

Beijos e até breve!!

julho 05, 2005

Saudades


Foto: O Templário

Saudades da minha adolescência e das tardes passadas na Piscina Vasco Jacob. Do banho pouco antes das sete, quando já não estava ninguém na piscina. Dos saltos a medo da prancha de cinco metros. Dos banhos de sol nas escadas dos balneários. Dos jogos de cartas debaixo dos choupos. Dos novos amigos que todos os anos ali fazia.

Hoje estou com um ataque de nostalgia....

julho 01, 2005

Uma vez ostracizados, para sempre ostracizados!!

SIVETUR reaberto a candidaturas


Foi publicado no Diário da República nº 120 (II série), o Despacho nº 13989/2005, de 24 de Junho, que determina a abertura da primeira fase de candidaturas relativamente a 2005, ao Sistema de Incentivos a Produtos Turísticos de Vocação Estratégica (SIVETUR) , o qual decorre de 25 de Junho a 22 de Setembro de 2005. Assim, e segundo o referido diploma não são admitidos a esta fase os projectos localizados na Região de Lisboa e Vale do Tejo.

A dotação orçamental para as candidaturas a apresentar nesta fase é de 30 milhões de euros.


In Publituris

Já anteriormente tinha aqui denunciado esta situação insustentável.
Quando é que alguém lá de cima se dará ao trabalho de constatar que o interior desta região não tem absolutamente nada a ver com o litoral da mesma, ou seja que o Médio Tejo não tem nada a ver com a Grande Lisboa????

junho 14, 2005

Os Pêssegos desta República sabem mesmo bem!

Tema pertinente - Parte II

Para os menos informados, o assunto do post anterior servirá para combater o estereótipo criado:




In anatomias.no.sapo.pt

Tema pertinente


Confederação do Turismo Português debate novos turistas





Como lidar com os novos turistas? É o tema do terceiro painel do 2º Congresso do Turismo de Portugal que a CTP vai realizar em Julho, no Centro de Congressos do Estoril. O moderador deste painel será José Gomes Ferreira e terá como oradores Jorge Marrão, Luís Correira da Silva e António Castro Freire.

Pertinente também será o painel sobre as empresas de turismo portuguesas além fronteiras, que terá como moderador Martim Avilez Figueiredo e como oradores José Roquette, António Pinto de Sousa e Frederic Frère.

Luigi Cabrini, responsável pela OMT fará uma intervenção no congresso sobre "O Turismo no mundo. Uma visão para o futuro", a qual será um importante contributo para melhor se entender as tendências do novo turista, bem como da importância dos processos de internacionalização das empresas de turismo portuguesas.

In Publituris

junho 13, 2005

Eugénio de Andrade (1923-2005)

Escritor e sublimemente poeta.


Urgentemente

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.
É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.
É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.
Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Eugénio de Andrade

Álvaro Cunhal (1913-2005)

Artista plástico, ensaísta, escritor (sob o pseudónimo de Manuel Tiago) e político.

Presto-lhe homenagem por, ao longo dos anos, e face a todas as vicissitudes a que esteve sujeito, ter sempre sido fiel ao seu ideal. Nos dias que correm não é tarefa fácil, nos dias que ele viveu mais difícil seria.

junho 06, 2005

Esta semana no Templário

Reportagem sobre bloggers tomarenses.
(para saber mais, terá que comprar o jornal, que diga-se de passagem, será um bom investimento)

maio 27, 2005

Reflexões


Há alguns anos atrás, aliada que andava dos problemas que assolavam o nosso país, achava que era bom viver em Portugal, comparado com outro país onde vivi e outros que visitei. Achava que a joie de vivre que por cá se propagava era suficiente para esquecermos todos os problemas conjunturais, todas as carências sociais e económicas.
Passados uns anos, mais madura e inteiramente inserida na sociedade económica e social, apercebo-me que esta joie de vivre serve de disfarce e de mentalização psicológica para esquecermos o que verdadeiramente afecta o nosso dia-a-dia, no fundo é a máscara utilizada por quem não tem nada, nem aspira a ter, face à conjuntura económica que não nos dá razões para pensarmos de outra forma.

Pensem numa família de classe média, empregados por conta de outrem, que todos os meses vive em função de dois ordenados contados até ao último cêntimo, divididos pelas prestações da casa e do carro, pela escola dos filhos, pelos ateliers de tempos livres, pela água, pela luz, pelo telefone e telemóveis, entre outros que a vossa imaginação ou carteira permita lembrar. Vivem uma vida, uma só, como todos nós, mas uma vida endividada. Conseguem prever a longo prazo o que poderão, ou não poderão ter, durante toda essa vida. Psicologicamente isto é terrível! Saber de antemão, que as coisas mantendo-se como estão, só terão direito àquilo que esses dois ordenados lhes permitam, é avassalador. É uma condenação sem cárcere, mas uma condenação perpétua.
O Estado bem nos aconselha a sermos empreendedores. Porém quando os cêntimos estão contados até ao último, como é que podemos arriscar seja o que for? Ideias talvez não faltem, mas quando, todos os dias, assistimos à falência de um Estado que é o nosso, cujos principais protagonistas nos pintam cada dia um futuro mais negro, para onde vai a coragem? Haverá condições para sairmos do buraco onde nos metemos? Poderemos pedir contas aqueles que nos arrastaram para esta situação? Poderemos algum dia vir a ser europeus? Ou melhor, sentirmo-nos como os outros europeus? Ou seremos para sempre o irmão (ou primo afastado) mais pobre? Sentiremos para sempre este agastamento? Esta discriminação?
Para nos ajudar, este Estado que é o nosso, aumenta-nos os impostos, reduz-nos a qualidade de vida, sem nos dar a certeza de que com estas medidas Portugal será algum dia um País com joie de vivre na verdadeira acepção do termo.

maio 17, 2005

Começa amanhã



Portugal recebe encontro anual da OMT

"A importância crescente de Portugal enquanto destino turístico será o mote para o Encontro Anual da Comissão para a Europa (Organização Mundial de Turismo), agendada em Coimbra, entre os dias 18 e 22 de Maio, na Quinta das Lágrimas.

Aquela que será já a 43º Reunião da Comissão englobará a avaliação das actuais tendências do sector e os resultados da actividade realizada em 2004 e 2005, bem como projecções de crescimento para o biénio 2005-06, e respectivo plano de actividades.

Esta reunião, presidida por Pedro Almeida, representante permanente de Portugal na OMT, incluirá ainda uma conferência internacional. subordinada ao tema: “Futuro no turismo nas cidades europeias”. Entre os oradores convidados, destacam-se o professor Ernâni Lopes, professor Rico Maggi, director do Institute of Economic Research, o professor Heinz-Ricco Scherrieb, do Instituto do Turismo da Suíça e Igor Nemec, responsável pela área do turismo na Câmara Municipal de Praga."

In Publituris

maio 16, 2005

O congresso do "entulho"


Foto "rapinada" do Templário

Pela foto, dá para perceber porque é que não estive lá?

Há quem chame "entulho" às sopas velhas que as nossas avós faziam tão bem.
Eram sopas que enchiam, longe dos ligeiros cremes, que os restaurantes in tanto gostam.

Sopas com massa, com batata, com couves e feijão. Próprias para quem iria enfentar um dia árduo de trabalho no campo.

Em Tomar, neste fim-de-semana, também houve dessas, e de outras. Porém o entulho não ficou só pela sopa. O entulho saiu da sopa para o local do evento. Há dois anos que não piso o chão do Mouchão durante o Congresso da Sopa, porque acho que de ano para ano se perde qualidade em favor da quantidade.

Ele é filas para a taça, ele é filas para a sopa, ele é um mar de gente, que se empurra, acotovela, na esperança de conseguir chegar à sopa antes da panela esvaziar.

Este ano foram 5000 congressistas! Alguém conhece o Mouchão? 5000 pessoas no Mouchão?

Não quero com isto dizer que o evento não merece o lugar de destaque que todos os anos tem na imprensa nacional, e até internacional, porém de um evento que começou por ser "caseiro", estendemo-nos para um evento para o qual a organização já não tem mãos suficientes para lidar.

Senhores, organizem-se! Façam senhas, ponham cordas, aumentem os litros, sei lá, organizem-se.

Se assim for, prometo que para o ano terão o prazer de poder ter a minha companhia :)

Um assunto a seguir atentamente


Este é um assunto sobre o qual já teci comentário aqui.

No Jornal Cidade de Tomar desta semana, ressalta um título do jornal onde se refere que a Mata voltou às reuniões do executivo da Câmara.

É importante referir, que na notícia do CT e citando: "O presidente da câmara defende que a autarquia só deve acolher a responsabilidade da gestão, depois da Mata recuperada pelo ICN".

Do que conheço da Mata e da sua Gestão, as conclusões a que posso chegar é que a Câmara não quer passar das intenções.

Fica bem dizer que querem tomar conta do nosso pulmão. Porém o médico terá de ser outro! Mas se o outro não está disposto a fazê-lo, em que é que ficamos?

O problema da Mata e da falta de limpeza que a mesma precisa, seria facilmente resolvido com acções de sensibilização por parte da Câmara, e com o recurso a trabalho de voluntariado, a que estou certa os tomarenses adeririam, "cozinhado" com uma formação para o efeito.

As "turras" da Câmara com algumas instituições nacionais já cansam!

Só eu sei porque fiquei em casa!


Como é óbvio estou triste.
O Sporting, o grande Sporting, o meu Sporting perdeu.
E por mais voltas e voltas que os matemáticos possam dar às contas do campeonato, este já não será nosso.
Como o futebol não é como a vida, já não há volta a dar. Os pontos que se perderam, já não se podem recuperar. Na vida, por vezes, ainda podemos voltar atrás e emendar erros que possamos ter cometido.

Fiquei triste porque perdi, e também porque não tive a oportunidade de ver o Sporting que queria ter visto. Vi um leão sem garras, e não me agradou. Paciência! O futebol é apenas uma parte divertida da vida.

É até com um certo agrado que vejo a águia a afiar as garras...não quero dizer que estou à espera de vingança....NÃO! Mas...

Vamos com calma lampiões! Porque se para o Sporting já é sabido que não ganha, o vosso voo pode estar a ser alto demais!

maio 09, 2005

O jantar que não foi

Estava em divida para com o meu cantinho, bem como para com aqueles que me questionaram quanto ao resultado do jantar/encontro de bloggers tomarenses.

Pois meus amigos o jantar, não foi!

Marcar um jantar, num Domingo, entre bloggers que não se conhecem pessoalmente, para um restaurante que habitualmente fecha, precisamente, ao DOMINGO, não está com nada!

Por isso ficámo-nos pelas intenções. Provavelmente até nos cruzámos na rua, mas como de cara só conhecemos o template dos respectivos blogs, a coisa complicou-se.

Acabei por ter um jantar em tête-a-tête com o meu irmão, que me contou as aventuras da sua última viagem. Um jantar que não tenho memória de termos tido noutra ocasião.

Logo, o melhor do jantar de bloggers foi mesmo a oportunidade que tive de estar com o meu mano.

Entretanto chegou-me a informação de que o Jornal O Templário, do meu amigo José Gaio, estava interessado em agarrar a ideia promovendo o encontro, o que diga-se de passagem, seria a cereja em cima do bolo, tornando a coisa mais oficial.

Pela minha parte estou inteiramente de acordo,e mesmo se no fim as conclusões forem baixas relativamente à expectativa, servirá para ultrtapassarmos a barreira do ecrã, e provarmos in loco, os pratos favoritos de cada um.

abril 24, 2005

Hoje, aqui para estas terras nabantinas, vai haver um jantar/encontro de bloggers.

Eu vou lá estar. Veremos se não sou a única.

abril 18, 2005

Deus criou o Homem e o Homem criou a religião.

Provavelmente, hoje sairá fumo branco pela chaminé da Capela de onde foi fotografado este fresco de Miguel Ângelo, elegendo, assim, o 265º sucessor de S. Pedro.

Para quem acha que já não existem Arautos da Paz, o dia de hoje (esperemos) provará o contrário.

abril 15, 2005

Leonardo da Vinci



Se fosse vivo, esse génio de uma das épocas históricas e artísticas que mais admiro, faria hoje 553 anos.
O corpo morreu, porém a alma persiste, na sua obra, no seu génio, na sua personalidade fora do comum.

Descoberto ou relembrado por muitos, graças ao romance de Dan Brown, que soube espicaçar ainda mais a curiosidade e o mistério que envolvem este homem fora do comum

Hoje apetecia-me...


Viajar de maneira diferente.

Uma bela ideia, inovadora e, irresistivelmente, romântica.

Não perderei o elétrico da próxima vez que for ao Porto!


abril 08, 2005

Mentiras estatísticas

"O alargamento da União Europeia a Leste contribuiu decisivamente para um enriquecimento estatístico das regiões portuguesas e esse facto custa milhões a Portugal.

Já se sabia que Lisboa iria deixar de pertencer ao clube das regiões mais favorecidas pelos cheques de Bruxelas, agora também o Algarve e a Madeira serão penalizados por este enriquecimento que só é mesmo visível nos papéis da estatística.

Os mais de 500 milhões de euros anuais que Lisboa vai perder vão ter um impacto negativo no País, uma vez que se trata da região mais dinâmica em Portugal. Quando falamos desta região inclui-se, além dos municípios próximos da capital, a Península de Setúbal, a zona Oeste, o Médio Tejo e a Lezíria Ribatejana. Obviamente nem todas têm o nível de riqueza do eixo Lisboa-Sinta-Cascais. Por isso, a ideia de separar o Oeste e o Ribatejo da região da Capital até tinha vantagens na captação de fundos."

In "Correio da Manhã"


Aí está uma ideia que sempre defendi. Quem mora em Lisboa e tem alguma ligação com o interior ribatejano, sabe perfeitamente que esta junção é perfeitamente injusta para com as regiões do interior. A realidade da capital, em termos de energias, sinergias, geração de emprego, empresas sediadas, nada tem a ver com o interior da região de Lisboa e Vale do Tejo. Por isso me parece perfeitamente inapropriado que se meta tudo no mesmo saco quando falamos de apoios comunitários. É a tal mentira estatística de que fala o autor deste artigo.

Ainda cá ando

Apesar de ter andado ausente da blogosfera, continuo uma fervorosa adepta desta realidade, e do meu Sporting, claro está.

março 20, 2005

Aviso à navegação


Estimados leitores e amigos, bem como a todos aqueles que aqui caiem por acaso.

Devido a prazos estabelecidos, trabalho acumulado e stress a isso associado, a autora deste blog tem a anunciar que o mesmo se encontrará inactivo durante algum tempo (esperemos que seja só uma ou duas semanas, seria sinal de que eu conseguiria cumprir os prazos).

Como tal, agradeço que, de vez enquando, venham aqui matar saudades e ver se eu renasci das cinzas em que me encontro.

Assim que os objectivos profissionais e académicos estejam cumpridos, regressarei com energia redobrada e com vontade de dar uma "melhorada nesse blog".

Saudades para todos.

Para aqueles que se virem perdidos por essa blogosfera fora, aconselho que visitem os vizinhos que tenho linkados ali à direita, pois a qualidade dos serviços é inquestionável.

Até breve!!

março 16, 2005

UFF!!


Hoje digo, com toda a convicção:

Ainda bem que não moro em Lisboa!!!

O homem vive de tacho, aliás, já deve ter o trem de cozinha completo.

One word: degradante!

março 09, 2005

Ontem foi o Dia Internacional da Mulher


E eu pergunto:

1º Porque é que as mulheres precisam de um dia para serem "comemoradas"??

2º Porque é que não existe o dia Internacional do Homem ou do Macho??

Esta data começou por ser celebrada em 1910, em homenagem a 130 mulheres que em 1857 morreram num incêndio numa fábrica em Nova Iorque quando lutavam pelos seus direitos.

Passados 150 anos da ocorrência, ainda se sente a necessidade de comemorar o dia em homenagem à independência e emancipação da mulher.

Desculpem, mas é um dia triste, não há nada para comemorar.

março 04, 2005

Lembram-se ?


Fez no dia 1 de Março 6 meses que o terror chegou a Beslan.

Hoje no "El Mundo", é anunciada a morte de cinco dos implicados no assalto à escola e da prisão de quatro outros.

O que me fez reflectir nesta notícia, foi o seguinte parágrafo:

"El anuncio (da morte e prisão de suspeitos) del vicefiscal general coincide con protestas masivas en Beslán, donde los familiares de las 330 víctimas, principalmente niños, exigen la dimisión de las autoridades tras medio año de espera de los resultados de la investigación oficial."

Pergunto: realmente culpados? Ou mais um "Afeganistão à Bush" ?

março 03, 2005

Concerto dos U2 em Portugal (agora a sério)

Graças ao meu mano que foi louco o suficiente para passar 17 horas numa fila da BP em Lisboa, consegui um bilhete para ver o grupo da minha vida!!!!!



(ver post anterior)

Caixa de e-mail recebidos

2º concerto dos U2 em Portugal

É com imenso prazer que anunciamos, para o próximo dia 16 de Agosto de 2005, um segundo concerto da banda irlandesa, no mesmo local. Para evitar eventuais confusões, informamos desde já as condições de venda de bilhetes para o referido evento. Esperamos também que terminem assim, de uma vez por todas, as especulações e acusações de que fomos alvo enquanto entidade promotora do evento.

Serão colocados à venda 49.000 bilhetes, nos seguintes canais de distribuição:

a) ATM's, vulgarmente apelidados de "Multibanco" - 1 bilhete por cada levantamento de 670€;

b) Sócios da União Desportiva Recreativa e Cultural de Santiago do Cacém, com quotas em dia e que já tenham representado a colectividade em provas a contar para um qualquer Campeonato Nacional de uma qualquer modalidade das que se praticam no cl ube, poderão levantar até ao próximo dia 12 de Maio uma rifa que os habilitará a um sorteio de 6 bilhetes;

c) 3.000 bilhetes na Adega Típica "A Mariquinhas", ao Bairro Alto, que serão vendidos nos próximos dias 21 dos meses de Abril, Maio e Junho. A venda neste ponto será efectuada mediante o rebatimento de 200 pontos no seu cartão de cliente desta popular casa da noite alfacinha. Relembra ainda a gerência que neste momento decorre uma promoção que consiste no seguinte: Por cada copo de três, a partir da
dúzia, os pontos valem a dobrar;

d) Santa Casa da Misericórdia de Vila Real - 3 bilhetes (entrar em contacto com o Padre Américo);

e) restantes bilhetes nos CTT nas seguintes condições:

1 - envio de 2 cartas de 85 gramas para o Hemisfério Sul (em alternativa 1 carta de 250 gramas para os EUA e/ou o Brasil);
2 - comprovativo da aquisição de 1 pack de 6 envelopes almofadados de variados tamanhos;
3 - apresentação de 500 TLP Card (nenhum repetido) e de 20 Credifones;
4 - apresentação de cartão de membro do "Clube de Amigos do Selo e do Postal do Séc XIX" (condições de adesão disponíveis em todas as lojas dos CTT);
5 - apresentação da Caderneta Militar de um familiar directo, que comprove a sua presença no Corpo Expedicionário Poruguês, nas Ardenas, durante a Grande Guerra;
6 - apresentação de um "Postalito" (mascote dos CTT a lançar até ao fim do próximo mês de Março).

Para aceder ao recinto do concerto, não devem esquecer os portadores de bilhete que só serão admitidos, para o interior do mesmo, todos os que se apresentem com uma camisa Ralph Lauren, um sobretudo Burberry's, uma saca de cimento Cimianto, um chapéu da McDonald's, ténis Sanjo, um azulejo da colecção "D.Duarte" da Fábrica
Irmãos Alves, óculos escuros Arnette, 2 volumes de cigarros Davidoff, calças de ganga Levi's e na altura devem apresentar o cartão de pontos da Chicco, para serem rebatidos 80 pontos.

Esperamos que desta forma se evitem mais confusões e que tudo decorra conforme os desejos de todos quantos reclamaram, justamente, mais esta oportunidade.

Muito Obrigado e um bom concerto a todos!

março 02, 2005

Parabéns ao Tomar...(atrasados)


... Não poderia deixar passar mais de um dia da data (ups!) sem dar os parabéns, também, ao meu conterrâneo Leonel Vicente, o qual ainda não tenho o prazer de conhecer pessoalmente, mas que se encarrega de carregar de informação o seu Tomar sobre Tomar.
O verdadeiro blog de serviço público que fez ontem um ano, que nos mantém informados sobre tudo o que se vai passando por esta bonita cidade, cortada por um rio, encimada por um Castelo e habitada por gente boa.

Parabéns Leonel.

Keep the good work!!

Parabéns ao Thomar...(atrasados)

...que faz hoje um ano e um dia de vida e com o qual tenho o prazer de colaborar, ocasionalmente.

Permitam-me que transcreva o primeiro post do Thomar, que lido por um tomarense, acreditem, diz tudo. Traz-nos nostalgia, saudades, faz-nos rir, relembra-nos factos já passados e sobretudo é um retrato fiel da nossa cidade, meio urbana, meio provinciana, onde todos se conhecem e onde tudo gira à volta de um Castelo e de uma Janela que um dia D. Manuel decidiu aqui mandar construir.

Post do dia 1 de Março de 2004, no Thomar, (também ontem recordado no Thomar)

"Novecentos e tal anos depois, temos:Uma cidade, um castelo, um rio Nabão, um concelho com freguesias, uma estátua com um segredo, uma praça com pombos, uma fonte “aquamatrix”, uma festa colorida com milhões de visitantes, os Quinta do Bill, a fraca memória do lopes-graça, jornais locais, rádios locais, protagonistas locais, locais turisticos, um carnaval que já não se faz, um carnaval na linhaceira, uma tuna académica, tradições académicas consistentes, um politécnico recente, uma equipa de futebol onde jogou o Eusébio, uma equipa de hóquei em patins que esteve na 1ª divisão, umas super-piscinas, um parque de estacionamento onde acampam carros, um polis pouco visível, um parque de estacionamento bem visível, um ramal de comboios, uma ex-delegação da PJ, uma ideia de capital europeia da cultura, as fatias de tomar, as fatias de cá, museu(s), um batata que já não insulta, uma sirene de bombardeamento ao meio-dia, uma regata semanal de caixas de sapatos, um vereador que escreve com o coração, uma comunidade urbana, um escândalo político local (local variável), um anuncio na televisão, festas e concertos que eram na FAI, sete sois e sete luas que já não são, um MacDonald´s, um modelo, património da UNESCO, uma roda, um ex-Pim-Pim-ex-Index, um hospital novo, um paraíso de manhã, um paraíso de tarde, um paraíso de noite, uma memória de avô cantigas e pára-quedistas no dia mundial da criança, um estádio antigo, um cine-teatro novo, um festival internacional de cinema infantil que já era, um festival de dança contemporânea com sede em tomar e espectáculos cada vez mais fora, uma sexta-fora, um dia da cidade, e agora... um blog."

Está divino! Os tomarenses, pelo menos os da minha geração, estarão de acordo.
Para aqueles que não perceberam alguma das referências do post, podem deixar as questões na caixa de comentários. Prometo que serão respondidas.

março 01, 2005

Hoje a minha cidade faz 845 anos

...e é uma bela idade para comemorar...




Parabéns a Tomar, aos tomarenses e a todos aqueles que a amam, que nela habitam, que com ela se identificam e que nela morrerão, tal como eu.

fevereiro 25, 2005

Caixa de e-mails recebidos




Contam, que certa vez ao chegar a casa, o Dr. F. Louçã ouviu um barulho estranho vindo do seu quintal.

Chegando lá, constatou haver um ladrão tentando levar os seus patos de criação.

Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com os seus amados patos, gritou-lhe assim:

- Oh, bucéfalo anácroto! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo acto vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa.

- Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopeia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência do que o vulgo denomina por nada.

E o ladrão, confuso, diz:

- Doutor, eu levo ou deixo os patos?

fevereiro 24, 2005

Olá!


Tenho andado bastante desligada aqui do meu cantinho. Tenho tido saudades. Também não tenho dado a devida atenção aos meus colegas da blogosfera.
Mas não ando só desligada do blogue, também tenho andado desligada do mundo.

Demasiado concentrada no trabalho(o que também não é bom), sem tempo para pensar nos meus prazeres pessoais, dos quais este é um deles.

Prometo voltar à carga, quando eu conseguir dar conta do trabalho, e prometo visitar mais vezes os meus vizinhos bloguistas.

Por enquanto fecho-me novamente no computador, sem tentações de carregar naquele "ézinho" que me liga ao mundo.

Até já!!

fevereiro 19, 2005

É já amanhã...


É já amanhã que algo vai mudar no nosso País. Digo algo porque, infelizmente, a cada acto eleitoral, penso sempre que muda a cor, mas é mais do mesmo.
Portanto é apenas algo e não tudo, como todos desejaríamos que fosse.

Não somos suficientemente corajosos para mudar tudo radicalmente, ou talvez sejam as propostas radicais insuficientes para que acreditemos nelas.
Na minha opinião não são insuficientes, têm apenas pouca visibilidade. Cortam-lhes as pernas à nascença, apagam-lhes a voz que poderiam ter.

Não vos vou revelar o meu voto. Isso seria desnecessário e a campanha já acabou.

Mas digo-vos que apoio a mudança, apoio radicalismos quando estes não são levados aos extremos, claro. Apoio todas as ideias que me possam oferecer um País melhor, mais justo, mais funcional, mais produtivo, mais humano, mais eficiente e sobretudo diferente daquele que temos.

Desejo boa sorte aos vencedores. A tarefa vai ser árdua, os caminhos sinuosos.
Espero apenas que consigam alegrar os portugueses, dar-lhes esperança, "subir-lhes o astral", como diria o outro. Porque um País alegre tambem é um País ganhador, mesmo se o prato na mesa for parco.



"A polícia já tem o meu nome
Minha foto está no ficheiro
Porque eu não me rendo
porque eu não me vendo
Nem por ideais
Nem por dinheiro"


In "Esta cidade", Xutos e Pontapés

(assim, a dar um pouquinho p'ró revolucionário LOL)

fevereiro 12, 2005

Encontros imediatos


Esta semana tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o autor de um blogue que costumo visitar. O Hugo do Algures Aqui.
Devido às circunstâncias em que nos encontrámos, trocámos apenas algumas palavras. O Hugo estava na sua "jornada", a vender cachecóis, de forma que não o quis prender durante muito tempo.

Apesar de sermos da mesma cidade acho que nunca nos tínhamos cruzado. Eu já conhecia a sua fisionomia do Jornal "Cidade de Tomar" e penso que ele também conhecia a minha, talves do Jornal "O Templário". Porque quando cruzámos o olhar eu vi que ele me reconheceu e eu reconheci-o imediatamente.

O que me faz hoje escrever este post não é o facto de nos termos encontrado pessoalmente, mas sim, de este encontro me ter feito reflectir de como é diferente a "realidade virtual" da "realidade real", se assim posso dizer.

Até hoje, para mim, o Hugo era um blogue na Internet e algumas fotos no Jornal. E a proximidade que possamos ter através desses meios, esvai-se quando encontramos a pessoa em carne e osso. É incrível, mas verdadeiro.

Senti-me um pouco intimidada e mesmo incomodada pelo facto de já falarmos e trocarmos ideias há tanto tempo, através desta realidade, e ali a um metro um do outro sermos dois completos estranhos e desconhecidos.

Tenho que contactar o blogue Thomar, onde contribuo de vez em quando, para começarmos a pensar em promover um encontro de bloguistas tomarenses. Talvez não fosse má ideia, até porque somos pessoas com ideias, e quem sabe não nasça deste encontro algo mais, algo que poderá ser útil para a nossa cidade (aqui já estou a ser utópica).

Seja como for cheguei à conclusão de que não chega conhecermos as pessoas através de um monitor, temos que as conhecer com os seus tiques, as suas expressões, as suas linhas, os seus contornos, para verdadeiramente as conhecermos.
Para não falar de que este monitor muitas vezes é uma carapaça que esconde as verdadeiras personalidades. Uma carapaça através da qual as pessoas por vezes são até mais autênticas, dizem o que lhes vai na alma, sem preconceitos, sem condicionantes.

Aliás, falando nisso, vocês não sabem porque eu escondo bem o jogo, aqui, através do meu blogue, mas eu sou uma psicopata, fugi há uns meses da prisão de alta segurança onde estava encerrada até voltarmos a ter pena de morte em Portugal, e foi aí quando consegui escapulir que comecei este blogue.

AHAHAHAHA!!!!!! JUST KIDING!!!

fevereiro 04, 2005

janeiro 31, 2005

janeiro 27, 2005

DEVOLVAM-ME O MEU PAÍS


Por vezes na vida os caminhos que acalentámos não são os que o bom senso nos recomendaria, mas a vida é isso mesmo, um emaranhado de dúvidas, de surpresas, de boas e más decisões.
Nem sempre queremos aquilo que se revelará ser o melhor para nós, nem sempre escolhemos o que nos trará mais alegria, mas a vida é mesmo assim, um segredo revelado só depois da morte.

Se a esperança de vida para as mulheres em Portugal se mantiver, já vivi quase metade da minha vida. Já vivi quase metade da minha vida activa. É altura de reflectir. Medir os prós e os contras das decisões que tenho tomado, daquilo que tenho produzido, daquilo que tenho criado. E corrigir os erros.

O sentimento que tenho é que não me chega o que atingi até agora. Chamem-me demasiado ambiciosa, não me importo. Sou exigente comigo mesma por natureza, gosto sempre de pensar que posso ser melhor. Mas este sentimento leva-me a uma encruzilhada e à constante sensação de insatisfação. Não compreendo o sentido da frase viver conformado. Vivo cada dia com a esperança de poder chegar mais longe. E não me interpretem mal, não se trata de um sentimento materialista, mas sim espiritual.
Também não sou do género de “doa a quem doer, espezinhe quem espezinhar tenho é que atingir os meus objectivos”. Faço sempre tudo da forma mais diplomática possível, sem ferir susceptibilidades, sem prejudicar “mon entourage”. Mas isto suponho que faz parte da educação que me foi oferecida, e só tenho que agradecer.

É bom morrer e saber que a nossa vida contribuiu também para a felicidade de outras pessoas, que não somos mais um de quem toda a gente fala bem depois de morto, independentemente das atrocidades que tenha feito enquanto viveu.

Quantos dos nossos políticos actuais se podem identificar com estas linhas? Poucos, muito poucos, talvez apenas aqueles de quem se fala menos. Os que, por terem um comportamento correcto, nunca aparecem nas primeiras páginas dos jornais.

Mas esses não são os que se vêm nos cartazes e que em Fevereiro vamos eleger.
Vamos eleger mais um crápula, um agente da classe “doa a quem doer, espezinhe quem espezinhar”.

O facto de saber que esse agente que será eleito, irá contribuir para o desenrolar da minha vida aflige-me. Porque ele directa ou indirectamente será o meio através do qual poderei ou não ter acesso aquilo que mais ambiciono – a Liberdade.
A liberdade de fazer opções, a liberdade de expressar opiniões, a liberdade de trabalhar, a liberdade de produzir, a liberdade de ter orgulho no meu País, no povo ao qual pertenço.
A liberdade abre-nos portas intransponíveis na sua ausência. Mas esta liberdade é sempre condicionada por aqueles que estão no leme dos nossos destinos.

A percepção que tenho é de que a classe política actual pertence a uma geração rasca, tanguista, sem valores. Os seus paizinhos deviam andar demasiado ocupados com os loucos anos 70 de muitas drogas e rock e esqueceram-se de os educar para aquilo que existe de mais importante nas atitudes, o respeito pelo próximo.

Quarentões, filhos de burgueses, habituados a ter sempre dinheiro no bolso, sôfregos de protagonismo e pobres de ideias, que atingiram o topo graças aos padrinhos bem posicionados e aos favores concedidos, cuja imagem ridícula impede aqueles que têm verdadeiro valor intelectual de se mostrarem, com medo de serem misturados no mesmo saco.

Este País está a precisar de uma vassourada, de uma limpeza geral, de uma reflorestação no deserto político que possuímos.

Até lá, não nos resta senão continuarmos a ter uma vida digna dentro daquilo que nos é oferecido pela classe que nos governa.

Proponho uma campanha a favor da vassourada.

O slogan dessa campanha será:

DEVOLVAM-NOS O NOSSO PAÍS E A NOSSA DIGNIDADE!

janeiro 19, 2005

Voltei


As férias passaram mais depressa do que eu desejava. O regresso ao rengue-rengue não está a ser fácil. Não me apetece ler notícias, não me apetece entrar na rotina. E depois, tenho tanto trabalho por fazer, tanta linha por escrever, que só me apetece regressar de onde ainda agora cheguei.
Já estou cá desde sexta-feira. Mas só no Sábado liguei o telemóvel.
Só depois do regresso me apercebi de como foi bom, de como foi revitalizador o facto de estar sem notícias de Portugal. Não que as não houvesse, simplesmente não as procurei.
Quando estamos num local de uma beleza natural excepcional, com um povo mais excepcional ainda, não apetece recordar o Inverno e um País sombrio como o nosso.
Tenho esperança que em Fevereiro se faça luz, que regressemos da depressão em que estamos metidos.

Até lá, talvez já tenha regressado completamente.

E tudo isto numa semana, imaginem se tivesse sido um mês.


janeiro 05, 2005

Férias, férias, férias!!!!!



O Alinhavos vai ter umas merecidas férias.

Até breve!!

Margarida Rebelo Pinto recusa lugar de deputada


É pena! Habituados que estamos ao "estilo" literário desta escritora pop, imaginem o romance de cordel que isso não ia dar. A escritora descrevendo as pinocadas dos gabinetes, as facadas nos corredores e sobretudo como se f**** uns aos outros por aquele hemiciclo fora.


Pergunta do dia


É preciso ter oposição quando se tem um Pôncio Monteiro na equipa?



janeiro 01, 2005




Que este seja Aquele ano, o Tal, o que iremos recordar com Alegria.



Esqueçamos a mágoas passadas, a dor sentida, a infelicidade vivida, e olhemos com esperança, com energia e com vontade este novo ano como um outro recomeçar.
Demos as mãos, juntemos raças, religiões e ideologias.