dezembro 29, 2004

O pesadelo asiático que também é nosso

Hoje:

70000 mortos confirmados
30000 desaparecidos
1 milhão de desalojados
50 epidemias em risco de despontarem


Cruz Vermelha Portuguesa

CVP APOIO ÀS VÍTIMAS DO ABALO SÍSMICO E DO TSUNAMI
BANCO BPI
NIB 0010 0000 137 222 70009 70
Conta nº: 1-1372227000009




dezembro 23, 2004

Hoje também estou aqui.



Um Santo e Feliz Natal para toda a Blogosfera.





_____________________________________________


Natal, e não Dezembro


Entremos, apressados, friorentos,
numa gruta, no bojo de um navio,
num presépio, num prédio, num presídio
no prédio que amanhã for demolido...
Entremos, inseguros, mas entremos.
Entremos e depressa, em qualquer sítio,
porque esta noite chama-se Dezembro,
porque sofremos, porque temos frio.

Entremos, dois a dois: somos duzentos,
duzentos mil, doze milhões de nada.
Procuremos o rastro de uma casa,
a cave, a gruta, o sulco de uma nave...
Entremos, despojados, mas entremos.
De mãos dadas talvez o fogo nasça,
talvez seja Natal e não Dezembro,
talvez universal a consoada.



David Mourão-Ferreira

dezembro 22, 2004

Dia de luto em Tomar


Fiquei totalmente consternada quando li hoje no Templário a notícia que não queria ler.
Já há uns tempos que sabia que tal poderia suceder um dia. Aliás, até já tinha trocado algumas impressões com o Hugo sobre o assunto. No entanto, quando hoje li o artigo não queria acreditar.

O Cine-Esplanada, um ícone da minha cidade natal, foi demolido.

Para quem não sabe o Cine-Esplanada foi um cinema ao ar livre, provavelmente dos únicos do país. Estava implantado numa zona de jardins e também isso lhe dava uma atmosfera única, impossível de transmitir por palavras.
Durante a minha adolescência, nos Verões quentes de férias grandes, várias vezes assisti a sessões de cinema naquele local. Era um misto de fantasia, alegria e companheirismo.
Ver filmes a preto e branco e de vez em quando desviar os olhos até ao outro grande ecrã, o céu estrelado, é uma experiência rara, que poucos apenas tiveram o privilégio de experimentar.
Eu sabia que o projecto Pólis previa a demolição do Cine-Esplanada, e mea culpa também se tal, realmente, acabou por suceder.

Os tomarenses com quem falei sobre o assunto, também não acreditavam que tal viesse a acontecer, mas a verdade é que ao contrário de tantos projectos que ficam pelas gavetas da administração, este concretizou-se.

Naquele local de culto, que marcou toda uma geração, será construída uma “praça formalizada com iluminação no nível do pavimento”.
Mas quem é que precisa de praças realizadas segundo as formalidades com iluminação no nível do pavimento? Nós queremos é sítios únicos, autênticos, que nos liguem à nossa terra, que nos relembrem o passado, tempos gloriosos de raras preocupações.

Relembro aqui o que disse ao Hugo quando falámos sobre o assunto:

O Cine-Esplanada recorda-me filmes de Felinni, verões quentes, namoros jovens.

E isso, nenhuma praça pode substituir.



A imagem da desgraça no Templário


dezembro 21, 2004

dezembro 20, 2004

Estou a pensar ir para Astróloga, a única profissão que nos permite andar em cima de elefantes no circo!


dezembro 18, 2004


MÉRIDA



Praça de Espanha



Pormenor



Templo de Diana



Coluna Jónica



Teatro Romano



Mosaico (pormenor)



Arco de Trajano

dezembro 17, 2004

Marvão


São mais novidades no Fotopages do Alinhavos. (link na foto)



Alinhavos no Fotopages

Castelo de Ourém



Alinhavos no Fotopages

dezembro 14, 2004

Teoria da conspiração, contraditório e contradições (sem qualquer lógica aparente)


Portugal não ganhou o Europeu

  • Durão só pensou na sua carreira e carteira
  • Presidente não quis dar Governo a Ferro Rodrigues
  • Durão quis acabar com carreira de Santana
  • Presidente esperou por Sócrates
  • Presidente quis que coligação batesse fundo
  • Bancos quiseram Santana
  • Bancos denegriram Santana
  • Portas fala de coligação
  • Portas já não fala de coligação
  • Portas eventualmente falará de coligação
  • E porque é que não é Santana que fala de coligação?
  • Santana demite-se
  • Santana demitiu-se para evitar mais nódoas
  • Durão não comenta
  • Bombardier renascido
  • Bombardier é propaganda
  • Guterres já previa lamaçal
  • Guterres fugiu com o rabo à seringa
  • Cavaco já não vai ser Presidente
  • Cavaco não gosta de Santana
  • Presidente é um caudilho
  • Etc, etc, etc
(Nota1: sem nenhuma lógica de calendarização)
(Nota2; aceitam-se upgrades)

Conclusão: Quem se lixa é o mexilhão!!!

dezembro 13, 2004

Sentiram??


Links e afins


Fui hoje dar uma volta ao Technorati ver como é que andava este blog de "linkadelas". Está bonzito, obrigado!

Quero agradecer ao Peter Pan X e ao Araponga os respectivos links e logo que me meta ali nos Templates retribuo ;).

Thanks!


dezembro 10, 2004

A ler...


... Algures Aqui, O carácter dos tristes e esquecidos.


Até eles sabem...


"Portugal has become a diversified and increasingly service-based economy since joining the European Community in 1986. Over the past decade, successive governments have privatized many state-controlled firms and liberalized key areas of the economy, including the financial and telecommunications sectors. The country qualified for the Economic and Monetary Union (EMU) in 1998 and began circulating the euro on 1 January 2002 along with 11 other EU member economies. Economic growth has been above the EU average for much of the past decade, but fell back in 2001-03. GDP per capita stands at 70% of that of the leading EU economies.
A poor educational system, in particular, has been an obstacle to greater productivity and growth.
Portugal has been increasingly overshadowed by lower-cost producers in Central Europe and Asia as a target for foreign direct investment. The coalition government faces tough choices in its attempts to boost Portugal's economic competitiveness and to keep the budget deficit within the 3% EU ceiling. "

In CIA (última actualização em 30 de Novembro de 2004)


...Na República Democrática do Congo, seis diferentes exércitos participam de uma guerra iniciada em 1998, que já produziu entre 3 e 5 milhões de mortos e mais de 2 milhões de deslocados.

República Democrática do Congo: A luta de uma mulher pela Justiça

Decidida a defender os seus direitos




Durante a noite um soldado irrompeu pela casa de Kavira Muraulu e violou-a. No dia seguinte ela foi apresentar uma queixa contra ele - o violador e os seus amigos voltaram a sua casa e espancaram-na. Sem se deixar intimidar, Kavira continuou a denunciar o sucedido. Eles perfuraram-lhe o estômago com uma baioneta.

Kavira é uma agricultora com cerca de 50 anos que vive perto de um campo militar em Mangangu, nas proximidades da cidade de Beni, província de Kivu Setentrional, no Este da República Democrática do Congo. Nesta zona, existe um conflito entre diferentes forças armadas há mais de cinco anos e muitas mulheres e raparigas foram violadas, mutiladas e mortas num cenário de completa impunidade.

O homem que violou Kavira no dia 16 de Maio de 2003 era um soldado do campo militar. Quando ela apresentou queixa ao comandante do campo, ele ordenou ao soldado que a indemnizasse em 3 dólares americanos, mas não fez nada quando a ordem foi ignorada. Kavira apresentou queixa ao governador distrital, que a confortou e lhe disse para voltar a casa, mas não tomou qualquer medida para garantir a sua segurança.

O violador e outros soldados apanharam-na enquanto ela trabalhava no campo, amarraram-na e espancaram-na, arrancando-lhe um dente e ferindo-lhe o maxilar. Apenas pararam quando uma outra mulher os ameaçou com uma arma. Kavira foi posteriormente levada ao gabinete do governador, onde este tentou sem sucesso convencê-la a retirar a queixa. Os soldados voltaram a atacá-la, desta vez perfurando-lhe o estômago com uma baioneta.

Apesar da constante pressão por parte das autoridades e de correr perigo de morte, Kavira está determinada a que se faça justiça e a obter uma indemnização.

Todas as forças envolvidas no conflito do Este da República Democrática do Congo têm utilizado as violações em massa e outras formas de violência sexual como forma de aterrorizar e de subjugar as comunidades civis. O gabinete da ONU para a Coordenação dos Assuntos Humanitários calcula que, entre Outubro de 2002 e Fevereiro de 2003, na província do Kivu Meridional, foram violadas cerca de 5000 mulheres, uma média de 40 por dia.

Em muitos casos, as vítimas de violação são também, deliberadamente, feridas ou mortas.

Milhares de mulheres e raparigas foram forçadas a tornarem-se escravas sexuais ou combatentes, devido ao facto de terem sido raptadas ou como consequência da extrema pobreza em que vivem. Ao trauma das vítimas soma-se o alto risco de poderem contrair HIV. O tratamento médico e psicológico de que necessitam é praticamente inexistente em todo o país.

Os homicídios, as violações e os crimes de violência sexual que estão a ser cometidos na República Democrática do Congo constituem crimes de guerra e crimes contra a Humanidade, no entanto, quase nenhum dos responsáveis respondeu perante a justiça.

In Amnistia Internacional

dezembro 06, 2004

Há esperança



Fonte: Jornal "A Bola"


É preciso por legendas ou vão lá pelas cores?


Pergunta do dia


Devemo-nos fiar num Orçamento elaborado por um Governo demitido por incompetência?



dezembro 03, 2004

Última Hora!!!!

Publicamos aqui, em primeira mão, o comunicado oficial de Jorge Nuno Pinto da Costa no que respeita à sua ausência do Tribunal de Gondomar durante a manhã.
(Reservamos o direito à não divulgação da fonte).



Caros Mouros

Pensavam que se livravam de mim assim tão facilmente?