maio 31, 2004

Pausa


Vou tentar ceder ao vício durante uns dias.
Sim, porque as bloguices, para mim são um vício.

Tenho dois capítulos de uma tese para acabar até sexta-feira, razão mais do que suficiente para fazer um intervalo, desconectar-me, desligar-me e embrenhar-me.

Vou desligar a net, ceder à tentação...

Não sei se consigo...

Cá vou eu mergulhar...

Cobradores de impostos mais motivados graças aos 42M€ oferecidos pela Ministra das Finanças


E para quando reduções das taxas para os contribuintes regulares, que nunca falharam nos seus compromissos fiscais, que sempre cumpriram com as sua obrigações face ao Ministério das Finanças, que sempre pagaram a horas e dentro dos prazos, que têm uma folha imaculada no que toca a pagamentos ao Estado?

Será que esta não seria também uma boa técnica para motivar os portugueses a não fugirem aos impostos?

Em vez de premiarem os cobradores, premiarem os bons pagadores.

Mas, claro, isto são apenas loucas reflexões de uma contribuinte cumpridora.

BLOGOPUB


Não desligue, voltaremos dentro de minutos.

Aproveito este tempinho de antena para agradecer ao Preceitos póstumos para uso do pessoal doméstico, o simpático link, o qual retribuo, e também ao Blog-Notas, que já há bastante tempo acompanho e que por conseguinte já tinha linkado.

PS: engraçado esta apropriação e posterior transformação de uma palavra inglesa em verbo (linkar), não? Já pensou nisso, cara Edite?

maio 28, 2004

E a estrela do dia é...





É verdade, começa hoje, o tão falado e prometido

Esperemos que os portugueses estejam à altura, que não faltem ao encontro, que acorram aos milhares, e lembrem-se que quem tiver o privilégio de assistir aos concertos, também vai estar a contribuir para melhorar o futuro das crianças.

"Na edição de 2004, o Rock in Rio-Lisboa irá doar entre 2% a 5% da receita proveniente da bilheteira, sendo que já garantiu uma doação de 250 mil euros e espera alcançar 1 milhão e duzentos mil euros com a venda dos bilhetes."

Eu também vou tentar lá ir...

Estatíscando


Ok, já me decidi, vou viver para Espanha.

As coisas que se aprendem com as estatísticas!

Se viver em Elvas a minha esperança de vida é de 80,5 anos. Se decidir mudar-me para Badajoz a minha esperança de vida passa a ser de 83,1 anos.

Será que os ares são outros?

ou Coltura?


Mas quem me mandou a mim seguir um curso de Gestão Cultural??

Ver notícia.

Não haverá uma única estatística que nos dê vantagem, seja no que for?
Sei lá, tipo, os maiores produtores de atilhos para sapatos, ou coisa do género.
Porque das duas uma, ou os jornalistas têm a cultura do negativismo ou de facto não existem estatísticas que nos dêem vantagem em nada.

Esperem aí, vou ali consultar o Eurostat.

Já volto, com novidades, ou talvez não...


maio 27, 2004

Patriotismo


Gostei de ler, até porque ando com uma febre patriótica. Desculpem-me os mais desprendidos.

Já cá canta o Caneco





Mourinho mereceu.
O Porto mereceu.

No entanto...

Será que Mourinho tem algum trauma que o impede de transparecer alegria, contentamento?
O que me deu a entender, ontem, é que estava desejoso de despachar o jogo para poder começar a despachar as malas para Inglaterra.

Até parecia que não tinha mais nenhum motivo para ganhar!

Os tripeiros não mereciam estas declarações, assim, no calor da vitória.

O homem podia ter esperado mais alguns dias para confirmar o que já todos sabiam, mas bom, já estamos habituados à sua falta de sensibilidade.

Medo....




Ontem dei comigo a pronunciar estas palavras:

FORÇA PORTO!

Meu Deus, medo....

E os vencedores do prémio "o problema do Zapping" são...


(Sem qualquer ordem de preferência)

Mariana.......sextosentido.blogspot.com

Camila.......asmilmargaridas.blogspot.com

Blá.......alienadas.blogspot.com

Ananke......desabafos-enigmas.blogspot.com

Gonçalo Trafaria......evasoes.site.vu

A autora do blog agradece a participação!

maio 25, 2004

O problema do Zapping


Também aqui na blogosfera nos deparamos com o problema do zapping.
Qual não é o proprietário de um bloguezito caseiro, tipo o meu, que não deseja que no sitemeter as page views aumentem?
Pois mas o problema é que a navegação é sempre sem destino fixo.

Senão reparem:
no outro dia fui ao Santo Google fazer uma pesquisa sobre margaridas, entrei num site feminista, sai, entrei numa animação do Sapo, sai, entrei num blog li dois ou três posts, deixei um comentário, segui um link e entrei noutro blog, por sinal um pouco ordinário, lembrei-me da minha busca inicial e voltei ao Google, lá estavam ainda as margaridas à espera, li um texto de um autor desiludido, voltei à pesquisa, entrei num texto sobre Gaia, não a do Norte, mas Gaia enquanto entidade que representa a união entre as rochas, o ar, os oceanos e os organismos vivos (as coisas que se aprendem na Internet...) e entretanto o telefone tocou, tive que deixar a net sem encontrar de facto o que queria: uma lista de espécies existentes da marca margarida.

Sobre o que é que eu estava a falar?

Zapping, exactamente. Obrigado aos mais atentos.

Pois eu acho que o problema do zaping na net são os links. Dispersamo-nos. Procuramos X, mas entretanto Y pisca-nos o olho e lá entramos nós em Z sem nos darmos conta.

Quantos é que conseguirão chegar aqui sem ter cedido à tentação de um dos links do post?
Os que chegaram, please, deixem comentário, que o nome será afixado num post posterior em forma de prémio.

Obrigado.



Voltemos a coisas sérias



Segundo dados de toda a comunicação social, a República Dominicana ia sendo engolida pela água que nela caiu.

De acordo com as últimas informações, não se encontram portugueses entre as vítimas. Caso se encontrassem seria sinal de que a retoma já aí está!

Durão Barroso, aguarda, impacientemente, novos desenvolvimentos...

BLOGOPUB


Não desligue, voltaremos dentro de minutos...

Já visitou as três alienadas, que nos revelam coisas do outro mundo?
Não falte, porque há todo um mundo por descobrir!

Já conhece a Carla e a Mariana? Elas garantem-nos que existe de facto um Sexto Sentido.

E o Miguel e a Mariana, já conhece? Dois apaixonados, perdidos numa relação impossível.

Tudo isto e muito mais num BLOG perto de si!



Hoje apetece-me...


Postar. Estou com vontade de subir nas estatísticas. Estou farta de andar atrás do futebol e à frente de preceitos!


Link

maio 24, 2004

TOMAR!


Corredoura (Rua Serpa Pinto)



Igreja de S. João e Praça da República visto do Castelo dos Templários



Convento de Cristo



Ponte Velha e Casa Vieira Guimarães com o Castelo dos Templários ao fundo



Aqueduto dos Pegões



Rio Nabão




Igreja de Santa Maria dos Olivais



e tudo, e tudo, e tudo...

Volta, estás perdoado!


maio 21, 2004

Bom FDS


Bom fim de semana para a comunidade blogueira.
Eu já fui...
P'ra qui:


Por onde vais América? Não vás por aí.

Interessante de ver a reacção de um americano face à notícia do bombardeamento de um casamento iraquiano. Ver no The Left Coaster (ver post do dia 20 Maio).

Where is Raed ?

Hoje decidi ir dar uma volta por um dos blogues mais procurados durante os primeiros meses de guerra no Iraque Where is Raed.
Os posts continuam emocionantes.
Encontrei uma sondagem muito interessante, para a qual deixo aqui o link.
Cada um que tire as suas conclusões.

Portugueses viajam menos



Segundo dados do INE publicados no Diário Digital, os portugueses viajaram menos em 2003. 16,6% foi a quebra registada nas viagens dos residentes.

Outro dado importante a assinalar neste artigo é o facto de, no que diz respeito ao turismo interno, 67,7% das dormidas se ter efectuado em alojamento privado gratuito, contra 16,2% em estabelecimentos hoteleiros.
O que quer dizer que, apesar de tudo, se procuram alternativas para ter as tão merecidas férias.

Estes dados são o reflexo da crise que todos temos sentido. O Português médio, que começou há poucos anos, a sair do seu país, vê-se agora confrontado, novamente, com ginásticas orçamentais que o impedem de conhecer mundo, de fugir à rotina.

Estamos a regredir e esta regressão nota-se mesmo num dos sectores onde a crise, normalmente, nunca é tão acentuada.

maio 20, 2004

Mais uma vitória para Portugal


O. M. T.



Não é uma vitória desportiva, mas uma vitória estratégica, a qual vou tentar acompanhar de perto. Ver notícia no Diário Digital

maio 19, 2004

Laetizia e Felipe



Inspirada por um post de uma amiga minha, decidi colocar aqui algumas questões sobre o casamento real espanhol.

Primeiro: Há quantos meses andamos a ouvir notícias que falam deste acontecimento?

Segundo: Será que ainda é notícia? Não está já demasiado gasto o tema?

Terceiro: Especulou-se tanto sobre Laetizia e a sua vida "normal", de mulher de 30 anos, no século XXI, e agora, mesmo não sendo imaculada, o casamento sempre vai avante?

Quarto: Quem é que se lembrou de convidar a Lili Caneças para fazer a cobertura do acontecimento?

Quinto: Quem é que se lembrou de convidar o D. Duarte para o casamento?

Sexto: O que me interessa a mim que façam dedais, pratos, almofadas e leques com as fotos dos noivos reais?

Sétimo: Será que é normal pagarem-se milhares de euros por alugueis de varandas?

Oitavo: Teremos voltado ao império romano, onde o povo era iludido com circo?

Nono: Desprezamos tanto a nossa costela espanhola e de súbito toda a comunicação social fala disto?

Décimo: É tanta a expectativa que permito-me perguntar: O que é que vai mudar daqui para a frente? O mundo vai ser outro? Vai acabar a guerra, a fome, a violência?

maio 18, 2004

PORTUGAL!!!!




Lista de convocados:

24 na selecção
11 milhões nas bancadas



Em tempos de baixo astral é importante sabermos quem somos, reconhecermos os pequenos gestos que nos ligam enquanto sociedade. A língua, os usos, os costumes, os hábitos, são parte integrante da nossa vivência enquanto povo, que nos distingue dos demais.
É importante termos orgulho na nossa memória, no nosso passado, no nosso presente e na geração que marcará o nosso futuro.
Não podemos ter medo dos clichés, de acharmos que o amor que temos à nossa Nação terá que ser comedido, com receio que este nos catalogue de extremistas.

Portugal precisa de auto-estima, e a melhor maneira será, nós portugueses, aprendermos a gostar do nosso país, com os seus defeitos, com as suas lacunas.

Em tempo de Europeu, todos temos de gritar e vibrar pela nossa selecção, pensando que ali está o nosso país representado. Ter orgulho em ser português, tal como temos em ser Benfiquista, Sportinguista, Portista, Lisboeta, Madeirense, Alentejano, Algarvio....
Ter orgulho em sermos um só país, uma só Nação, que renasceu há poucos anos, que ainda dá os primeiros passos na democracia.

PORTUGAL! PORTUGAL!

maio 17, 2004

Tempos modernos

Nasci na cidade, mas sinto-me do campo. Do campo de onde guardo as mais ternas recordações dos meus dias de infância. As férias escolares e tudo o que guardavam de surpresas, de novos amigos, lá, na aldeia da minha avó.
Guardo ternas recordações das brincadeiras inocentes, dos amigos que voltavam todos os anos, dos dias que se passavam em liberdade, em comunhão com a natureza.
Colhia-mos amoras, comia-mos os frutos das árvores e perdiamo-nos em eternas brincadeiras de esconde-esconde, saltos na corda e desvarios de bicicleta. Calcorreávamos pinhais, chapinhávamos nos ribeiros e só parávamos para uma breve refeição, comida à pressa na ânsia de retomar o jogo suspenso.
Era uma sensação de alegria pura, de eterna felicidade.

Hoje sou mãe e vivo na crescente amargura de não poder oferecer aos meus filhos o que os meus pais me ofereceram: a simplicidade da vida.
Chegam as férias deles e encarcero-os num qualquer ATL, fruto dos tempos modernos.
Hoje os avós trabalham, a vida corre mais depressa, o vagar de outros tempos apagou-se, ficou esquecido algures na conjuntura.
Não sabem quais são as flores que se chupam e amargam, nem as que se chupam e são doces. Nunca apanharam grilos, nem nunca foram buscar água à fonte.

Queremos oferecer-lhes um futuro, dar-lhes tudo o que de material existe, para compensar esta lacuna enorme que é não os deixar ser crianças em sintonia com a liberdade.
Hoje os tempos são outros. A insegurança, o crime são o mote. As notícias uma propaganda de violência.
E as nossas crianças? Por aqui andam perdidas neste mundo de loucos, sujeitos às loucuras dos pais, que trabalham de sol a sol, para lhes oferecerem jogos de vídeo e telemóveis de última geração.

Antes da tecnologia nasceu a natureza, e quando Deus decidiu criar o homem colocou-o frente a frente com essa mesma natureza, sem armas, sem tecnologias.

Por isso é natural que eu guarde melhores recordações do meus telefones de copo e cordel do que do primeiro telemóvel que comprei, que aprecie mais um pôr-do-sol do que um programa televisivo, que me retenha em pensamentos nos passeios de bicicleta pelo campo que fiz do que da bicicleta de um qualquer ginásio com som techno.

E queria, acima de tudo, que os meus filhos também tivessem estas gratas recordações, porém não encontro a solução.

Resta-me a esperança que a alegria que transparecem seja sinónimo de felicidade, de sintonia com o seu tempo, com as suas vivências, com as quais eu não me identifico, mas que, apesar de tudo, compreendo.

Parabéns Benfica !



Nem sei como é que consegui escrever isto...
Mas também, coitadinhos, já há tantos anos que não festejavam...
Comigo é fair play acima de tudo, e como tal, espero que pelo menos daqui por mais dez anos possam festejar novamente... a taça, claro, porque o campeonato....

maio 14, 2004

Galeria de Maio

Decidi abrir uma galeria de arte aqui no meu cantinho (à direita, logo a seguir aos links). E como na net é tudo mais económico, posso-me dar ao luxo de ter presentes nesta galeria nomes acessíveis só aos grandes museus.

Decidi abrir esta galeria com um dos pintores que mais admiro: Vincent Van Gogh (1053-1890), o mestre da loucura, o mestre do impressionismo, incompreendido pelas correntes artísticas da época.

A sua carreira durou apenas dez anos, mas viveu todo este tempo como uma intensa aprendizagem, com uma urgência obessiva por passar etapas.

Conviveu com os maiores pintores da época como Émile Bernard, Toulouse-Lautrec, Pissaro, Signac e Gauguin e deixou-nos uma obra extensa marcada por diversas influências.

Após as suas primeiras vacilações como artista em Bruxelas, Haia e Drenthe, Vincent chega em 1884 a Nuenen, uma pequena localidade holandesa, onde adopta o modelo de Millet e Rembrandt, convertendo-se num pintor da vida rural.


Em 1886, decide mudar-se para Paris, apoiado pelo seu irmão Theo, e é aqui que tem contacto com os artistas impressionistas no estúdio de Fernand Cormon.


Em 1888, muda-se para Arlés, atraído pela luz plena e clara do sul da provença. Pouco a pouco a sua paleta de cores torna-se subjectiva e independente da cor local.


Este processo alcança a sua máxima expressão nalguns quadros de 1889, pintados durante o seu internamento psiquiátrico em Saint-Remy.


Os últimos três meses da vida de Van Gogh decorrem em Auvers-sur-Oise, uma pitoresca aldeia camponesa que Cézanne e Pissaro já tinham incluído no reportório dos impressionistas. A sua saúde já estava muito deteriorada e isso reflecte-se na sua pintura. O vigor do seu traço já não é o mesmo, porém continua na sua febril aprendizagem.
Essa sensação de impotência proporciona a muitas obras deste período uma tensão dramática e comovedora, como se inunciassem o desenlace da tragédia.

A excentricidade, os excessos de loucura, o comportamento turbulento e o temperamento pouco sociável, contribuiram para o génio de Van Gogh e contribuiram também para o seu final dramático. Vincent, em 27 de Julho de 1890, dispara um tiro no peito, no meio do campo e dois dias depois morreu.
Um pintor extraordinário, que marcou uma época e cujo génio só foi reconhecido depois da sua morte.

maio 13, 2004

Conflito de Gerações - Conflito actual ou milenário?

Recebi este texto por e-mail e não resisti a publicá-lo.

Só prova que os problemas do presente serão os problemas do futuro!


Falando sobre conflitos de gerações, o médico inglês Ronald Gibson começou uma conferência citando quatro frases:

1. "A nossa juventude adora o luxo, é mal-educada, despreza a autoridade e não tem o menor respeito pelos mais velhos. Os nossos filhos hoje são verdadeiros tiranos. Eles não se levantam quando uma pessoa idosa entra, respondem aos pais são simplesmente maus."

2. "Não tenho mais nenhuma esperança no futuro do nosso país se a juventude de hoje tomar o poder amanhã, porque esta juventude é insuportável, desenfreada, simplesmente horrível."

3. "O nosso mundo atingiu seu ponto crítico. Os filhos não ouvem mais os pais. O fim do mundo não pode estar muito longe."

4. "Esta juventude está estragada até ao fundo do coração. Os jovens são maus e preguiçosos. Eles nunca serão como a juventude de antigamente... A juventude de hoje não será capaz de manter a nossa cultura. "


Após ter lido as quatro citações, ficou muito satisfeito com a aprovação que os espectadores davam às frases.


Então, revelou as suas origens:

- a primeira é de Sócrates (470-399 a.C.)

- a segunda é de Hesíodo (720 a.C.)

- a terceira é de um sacerdote do ano 2000 a.C.

- a quarta estava escrita num vaso de argila descoberto nas ruínas da Babilónia e tem mais de 4000 anos de existência..."


E esta, hein??

maio 12, 2004

Finalmente publicaram

Depois de toda a confusão instalada na blogosfera com a publicação de uma notícia do Expresso em que, se punha em causa a legalidade dos blogs e o direito à liberdade de expressão, o Expresso deciciu publicar o comentário deixado à notícia em causa, pelo principal acusado neste episódio lamentável, Pedro Amorim, acompanhado de uma nota do editor, pedindo desculpas pelo lamentável equívoco.

Mas afinal, quem é que precisa de censores, os bloggers ou os jornalistas? Como é que é possível que um jornal como o Expresso, não tenha o rigor necessário, para confirmar as informações que publica?

É certo que a redacção do jornal terá que confiar no profissionalismo dos seus jornalistas. Mas, quando se trata de enviar estagiários (aprendizes) para fazerem coberturas de eventos, não seria melhor, que o orientador desse mesmo estagiário (supondo que tal exista), confirmasse as informações recolhidas?

E a ANACOM, não tem nada a dizer sobre o assunto?

A pobre da estagiária é que, provavelmente, já foi estagiar para outro lado...

maio 11, 2004

Guerra Civil Portuguesa

Muitos de nós não sabem, mas estamos a viver uma guerra civil, em Portugal.
Existem duas frentes de combate. De um lado crescem os batalhões da falta de civismo, do outro os pseudo estrategas do Governo.
As medidas repressivas, que brevemente chegarão perto de si, não no seu quiosque, mas na sua conta bancária, foi a solução encontrada para o fim destes combates.

Num país com 2 milhões de portugueses a viver no limiar da pobreza, onde o rendimento médio de um português deve rondar os 500 euros, nós vamos ter multas com três zeros. Será este o melhor efeito dissuador?


Sempre fomos um país que resolve os problemas em cima do joelho. Faz parte da cultura latina, diremos. Planeamento!? Para quê? Educação?! Para quê?

E se em vez de multarmos as pessoas, as obrigássemos a repetir o código, lhes déssemos formação onde ela não existe? E se em vez de prendermos os trangressores do trânsito, os pusséssemos a fazer trabalho comunitário, a trabalhar em centros de recuperação, como o de Alcoitão?
Será que assim não tomariam uma consciência mais real do que pode causar a falta de civismo, a irresponsabilidade?

Seja como for a guerra continua:

"Sinistralidade Nos primeiros nove dias deste mês já se somaram 50 mortos e 172 feridos graves na sequência de acidentes de viação registados pela PSP e pela GNR. A maior parte das ocorrências verifica-se durante o fim-de-semana. Só no último domingo, a GNR contabilizou cinco acidentes brutais, que causaram a morte a 11 pessoas." In DN (11/05/04)

E, infelizmente, está aí para durar.
E não acredito que as novas multas alterem alguma coisa.
Quer dizer, alguma coisa hão-de alterar: os cofres do Estado e as contas dos portugueses!!



maio 05, 2004

"Porque o ensino politécnico português está morto e ainda não foi disso notificado..."

E esta, hein ?!

Cidade Maravilhosa

O Rio de Janeiro está em guerra.
Lula anunciou o envio de tropas para a cidade, com o objectivo de conseguirem acabar com a guerra instaurada entre as favelas Rocinha e Vidigal.

Nem tudo são novelas no Brasil. Aliás, a novela é apenas um sonho utópico que os brasileiros gostariam de viver.

O Brasil real é muito diferente daquele Brasil cosmopolita, moderno e avançado que os autores das ditas nos querem mostrar.

A miséria, a falta de tudo, é uma constante na vida da maioria dos brasileiros.
E as favelas são o exemplo crasso de que é mesmo assim.

Os nossos bairros de lata, comparados com a anarquia vivida nas favelas brasileiras, de milhares de habitantes, são condomínios fechados de regrado luxo.

Nunca estive no Rio de Janeiro, a não ser em trânsito, portanto não sai do aeroporto, mas já estive no Norte e no Sul do Brasil, e acho que consigo ter uma ideia de como vive aquele povo.
É, realmente, um país de extremos. Em que na mesma rua convive um Centro Comercial três vezes superior a um Colombo, com barracas sem condições onde vivem famílias numerosas. É um país de paradoxos.

É um país lindo, cheio de recursos, mal aproveitados.

Um país de, aproximadamente, 200 milhões de habitantes, que nós nos fartamos de gabar pela sua beleza natural, e que não consegue ter mais de 5 milhões de turistas estrangeiros, quando nós, um país de 10 milhões, conseguimos ter 12 milhões de visitantes.
Parece mentira, não é?

Ao acompanhar estas notícias, da guerra entre traficantes, das favelas Rocinha e Vidigal, não posso deixar de pensar no filme de Fernando Meirelles, Cidade de Deus, que vi há pouco tempo. Fiquei impressionada com a violência, com a realidade nua e crua do filme. Aquele sim, é o Brasil dos brasileiros. Não de todos, felizmente. Mas de uma parte deles.

A droga, as armas, a violência, a miséria, convivem com a solidariedade, a amizade e a honestidade do povo brasileiro.

Quando vimos filmes assim, que são autênticos documentários, pensamos:
mas, quem é que alguma vez conseguirá por cobro a isto? Quando é que, alguma vez, alguém conseguirá endireitar a vida dos brasileiros?
O Lula? Coitado! Nem ele, nem dez iguais a ele!

Biba o Puerto, Carago!!

Pois, temos que dar a mão à palmatória. Os tipos são mesmo os maiores.

Injustiça!

"A revista «Caras» e a SIC anunciaram ontem os nomeados para os Globos de Ouro - 2003. José Alberto de Carvalho, Judite de Sousa, Rodrigo Guedes deCarvalho e José Rodrigues dos Santos concorrem ao troféu do melhor apresentador, em representação da SIC e da RTP." in DN

Então e a Manela, coitadinha?? Ela, a única apresentadora-jornalista-pivot-chica-esperta que nós conhecemos? Ela que consegue fazer as perguntas, responder e ainda comentar e dar opinião, não é nomeada?? Ela que manda calar os seus entrevistados? Ela, considerada por muitos como a musa das notícias? Ela, que outros tentam já imitar.

É uma injustiça. Para ela e para a TVI, que consegue ter o único jornal, onde notícias como: "jovem bombeiro apanhado em flagrante com a namorada em actos menos próprios, no quartel, está em perigo de ser expulso da corporação", são cabeça de cartaz.

É por estas e por outras, que este país não anda!!

maio 04, 2004

Deportivo versus Porto

«Há alguns malucos como eu que dizem sempre que vão ganhar. Os outros reservam-se no tradicionalismo». in Mourinho

Não será esta a melhor técnica? Bom, pelo menos tem dado resultados positivos. A arrogância e a auto-confiança é tal, que deita abaixo qualquer um.

De qualquer forma, e depois de arrumada dentro do saco a asca, a antipatia, o enjoo e a aversão que tenho por tal senhor, vou regular a minha TV para o preto e branco e torcer pela equipa portuguesa (da qual não me atrevo a escrever o nome). E apenas porque, de Espanha, nem bom vento, nem bom casamento.

maio 03, 2004

Sniff

Em relação ao post anterior:

Por acaso ontem até vi televisão, mas melhor não tivesse visto...
Ai, o meu Sporting...

Descanso semanal

De há uns tempos para cá, especialmente desde que o Sol começou a brindar-nos com o seu calor, faço um blackout à televisão, ao fim-de-semana.
Sou só eu, a natureza e o meu jardim (ordenados aleatoriamente).
Maravilha!
É que de repente, por dois dias apenas, parece que o mundo é perfeito. Não há guerra, terrorismo, corrupção, trafulhice, aldrabice, intrujice e outras coisas acabadas em ice que entrem no meu jardim, que invadam as minhas flores, que contaminem as minhas árvores.
É que parece que não, mas as impurezas desgastam, e o facto de não as sentirmos durante uns dias, dá-nos um outro ânimo para recomeçar a semana!