janeiro 24, 2006

Back to "Cavaquistão" (Estou de volta)

A dica que deixei no último post indicava Havana, Cuba.

Voltei no domingo depois de uma semana que me deixou perplexa pela negativa.
Já sabia que iria visitar uma ditadura, já sabia que iria visitar um país pobre, mas a carga negativa que o país transpira superou por demais as minhas piores expectativas.

Este não foi o primeiro país pobre que visitei, no entanto, foi o que mais me chocou.
Talvez sejam os vestígios de uma era dourada, que ainda restam e que nos deixam adivinhar o quanto podemos afundar-nos em ideais.

A lindíssima arquitectura colonial espanhola que se pode admirar em todo o país, completamente desmoronada, degradada, onde vivem famílias sem dinheiro para a remediarem. Os carros americanos (Chevrolets, Buicks, Cadillacs), um “museo volante” como lhe chamam os cubanos, outro desses vestígios de uma época em que o petróleo nascia no jardim. Tudo características de uma Cuba turística, que encanta, mas que demonstra que “El Comandante” deveria abandonar o barco e finalmente oferecer a liberdade que prometeu há mais de 40 anos.

Em Cuba tudo é do Estado, já sabíamos! Mas o Estado, tal como o nosso, não tem condições económicas para poder manter um país inteiro.
Digam-me os mais fervorosos desses ideais comunistas e socialistas se teriam a mesma força de viver se trabalhassem para um ideal que não lhes dá sequer para comer.
Mas a educação e a saúde são gratuitas! Sim, claro, mas quando se tira um curso de medicina para receber 20 euros por mês, não sei se valerá a pena…
Quando se trabalha uma vida inteira para viver numa casa que nunca poderá ser nossa, para ter uma empresa da qual o Estado ficará sempre com 51%, não sei se valerá a pena…

O que Cuba tem de mais valioso é aquele povo afável, alegre e ritmado, que não merece viver oprimido, como vive.

Enquanto o comunismo se manteve na Europa, a Rússia tinha todo o interesse em amparar um país irmão a 200 quilómetros da América, onde a bandeira era altivamente hasteada e quase se conseguia ver do outro lado do canal que a separa da Florida. Era o orgulho de um ideal que, como se veio a constatar, quando caíram muros e se abriram fronteiras, não passava disso mesmo, um ideal, um modelo que não funcionou, que não trouxe nada ao povo, quando deveria ter sido o contrário.
Porém Cuba é orgulhosa, “El Comandante” mais ainda e não vergou, não embarcou num barco chamado Perestroika, sofrendo agora as consequências que facilmente se podem constatar in loco. Aliás, Cuba embarcou nele (Doutrina Sinatra), indirectamente, mas não navegou para o mesmo cais. O barco que vinha sempre recheado, quando mudou de nome começou a vir vazio e esse foi, sem dúvida, o maior problema.
Cuba tem recursos para poder sobreviver sozinha, não duvido, mas as feridas antigas têm de ser saradas, as fronteiras comerciais abertas e as politicas mudadas.

E depois há sempre o reverso da medalha. Quando se vive um ideal em que todos deveriam ser iguais, porque é que existem alguns que “são mais iguais que outros”? Não compreendo. E estou certa que o pobre povo cubano também não compreende. Que não vivem todos em condições iguais, disso fiquei certa, só não consegui compreender o porquê. Talvez alguém mo consiga explicar.