fevereiro 25, 2005

Caixa de e-mails recebidos




Contam, que certa vez ao chegar a casa, o Dr. F. Louçã ouviu um barulho estranho vindo do seu quintal.

Chegando lá, constatou haver um ladrão tentando levar os seus patos de criação.

Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com os seus amados patos, gritou-lhe assim:

- Oh, bucéfalo anácroto! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo acto vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa.

- Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopeia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência do que o vulgo denomina por nada.

E o ladrão, confuso, diz:

- Doutor, eu levo ou deixo os patos?

fevereiro 24, 2005

Olá!


Tenho andado bastante desligada aqui do meu cantinho. Tenho tido saudades. Também não tenho dado a devida atenção aos meus colegas da blogosfera.
Mas não ando só desligada do blogue, também tenho andado desligada do mundo.

Demasiado concentrada no trabalho(o que também não é bom), sem tempo para pensar nos meus prazeres pessoais, dos quais este é um deles.

Prometo voltar à carga, quando eu conseguir dar conta do trabalho, e prometo visitar mais vezes os meus vizinhos bloguistas.

Por enquanto fecho-me novamente no computador, sem tentações de carregar naquele "ézinho" que me liga ao mundo.

Até já!!

fevereiro 19, 2005

É já amanhã...


É já amanhã que algo vai mudar no nosso País. Digo algo porque, infelizmente, a cada acto eleitoral, penso sempre que muda a cor, mas é mais do mesmo.
Portanto é apenas algo e não tudo, como todos desejaríamos que fosse.

Não somos suficientemente corajosos para mudar tudo radicalmente, ou talvez sejam as propostas radicais insuficientes para que acreditemos nelas.
Na minha opinião não são insuficientes, têm apenas pouca visibilidade. Cortam-lhes as pernas à nascença, apagam-lhes a voz que poderiam ter.

Não vos vou revelar o meu voto. Isso seria desnecessário e a campanha já acabou.

Mas digo-vos que apoio a mudança, apoio radicalismos quando estes não são levados aos extremos, claro. Apoio todas as ideias que me possam oferecer um País melhor, mais justo, mais funcional, mais produtivo, mais humano, mais eficiente e sobretudo diferente daquele que temos.

Desejo boa sorte aos vencedores. A tarefa vai ser árdua, os caminhos sinuosos.
Espero apenas que consigam alegrar os portugueses, dar-lhes esperança, "subir-lhes o astral", como diria o outro. Porque um País alegre tambem é um País ganhador, mesmo se o prato na mesa for parco.



"A polícia já tem o meu nome
Minha foto está no ficheiro
Porque eu não me rendo
porque eu não me vendo
Nem por ideais
Nem por dinheiro"


In "Esta cidade", Xutos e Pontapés

(assim, a dar um pouquinho p'ró revolucionário LOL)

fevereiro 12, 2005

Encontros imediatos


Esta semana tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o autor de um blogue que costumo visitar. O Hugo do Algures Aqui.
Devido às circunstâncias em que nos encontrámos, trocámos apenas algumas palavras. O Hugo estava na sua "jornada", a vender cachecóis, de forma que não o quis prender durante muito tempo.

Apesar de sermos da mesma cidade acho que nunca nos tínhamos cruzado. Eu já conhecia a sua fisionomia do Jornal "Cidade de Tomar" e penso que ele também conhecia a minha, talves do Jornal "O Templário". Porque quando cruzámos o olhar eu vi que ele me reconheceu e eu reconheci-o imediatamente.

O que me faz hoje escrever este post não é o facto de nos termos encontrado pessoalmente, mas sim, de este encontro me ter feito reflectir de como é diferente a "realidade virtual" da "realidade real", se assim posso dizer.

Até hoje, para mim, o Hugo era um blogue na Internet e algumas fotos no Jornal. E a proximidade que possamos ter através desses meios, esvai-se quando encontramos a pessoa em carne e osso. É incrível, mas verdadeiro.

Senti-me um pouco intimidada e mesmo incomodada pelo facto de já falarmos e trocarmos ideias há tanto tempo, através desta realidade, e ali a um metro um do outro sermos dois completos estranhos e desconhecidos.

Tenho que contactar o blogue Thomar, onde contribuo de vez em quando, para começarmos a pensar em promover um encontro de bloguistas tomarenses. Talvez não fosse má ideia, até porque somos pessoas com ideias, e quem sabe não nasça deste encontro algo mais, algo que poderá ser útil para a nossa cidade (aqui já estou a ser utópica).

Seja como for cheguei à conclusão de que não chega conhecermos as pessoas através de um monitor, temos que as conhecer com os seus tiques, as suas expressões, as suas linhas, os seus contornos, para verdadeiramente as conhecermos.
Para não falar de que este monitor muitas vezes é uma carapaça que esconde as verdadeiras personalidades. Uma carapaça através da qual as pessoas por vezes são até mais autênticas, dizem o que lhes vai na alma, sem preconceitos, sem condicionantes.

Aliás, falando nisso, vocês não sabem porque eu escondo bem o jogo, aqui, através do meu blogue, mas eu sou uma psicopata, fugi há uns meses da prisão de alta segurança onde estava encerrada até voltarmos a ter pena de morte em Portugal, e foi aí quando consegui escapulir que comecei este blogue.

AHAHAHAHA!!!!!! JUST KIDING!!!

fevereiro 04, 2005